PUBLICIDADE
Topo

Marcelo Paz: "Flamengo liderou volta e quando teve prejuízo não quis jogar"

Mais Os Canalhas
1 | 25
Siga o UOL Esporte no

Do UOL, em São Paulo

30/09/2020 10h23

O pedido do Flamengo pelo adiamento do jogo com o Palmeiras devido aos casos de covid-19 no elenco teve disputa nos bastidores, liminares e a confirmação da partida apenas poucos minutos antes do horário marcado, situação que foi vista com preocupação pelos dirigentes de outros clubes, como Marcelo Paz, presidente do Fortaleza, que afirma que os dirigentes do Rubro-negro erraram no episódio.

Em entrevista ao programa Os Canalhas, com os jornalistas João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana, Marcelo Paz diz que a situação antes de Palmeiras e Flamengo foi triste e que se o jogo não ocorresse, as consequências poderiam ter sido graves para o Campeonato Brasileiro.

"Eu vi com muita tristeza esse episódio, Flamengo ano passado foi sensacional esportivamente, o Flamengo gigante que todo mundo espera, ganhou tudo, torcida lotando os estádios, e o Flamengo lidera movimentos importantes para o futebol brasileiro, quando o Flamengo entra, tem peso. E eu achei que nessa eles erraram", diz o presidente do Fortaleza.

"O Flamengo foi o clube que brigou para que voltasse a jogar, que encabeça uma possível volta de público para os estádios, que enfrentou diversas situações, corretas ou não, e na hora que houve um prejuízo ele quis realmente não colocar o time em campo. Eu fiquei triste com a tentativa de não ter o jogo, gosto do Rodolfo Landim, falo com ele, tenho respeito enorme ao Rodolfo, acho que é um grande líder, mas acho que o Flamengo nessa situação específica errou", completa o dirigente.

Paz afirma que entre os dirigentes de clubes houve grande insatisfação com a intenção do Flamengo de não jogar a partida do último domingo, justamente pela situação na qual o Goiás fez partidas com vários desfalques e o próprio Fluminense, que goleou o Coritiba na última segunda-feira também com um número elevado de jogadores afastados devido à covid-19.

"Eu torci muito que tivesse o jogo, porque se não tivesse o jogo, a gente poderia ter um problema muito maior no Campeonato Brasileiro, porque realmente havia uma chateação grande de boa parte dos clubes, porque o Goiás jogou com os jogadores infectados contra o Palmeiras, contra o Athletico-PR, o Fluminense jogou ontem e ganhou do Coritiba com muitos jogadores infectados", afirma o dirigente.

"Amanhã pode ser o Fortaleza, pode ser um outro time e a gente tem que encarar. Então eu vi com tristeza, não esperava esse movimento, ainda bem que teve jogo nesse aspecto, defendo o protocolo, defendo o protocolo de jogos. E acho que há uma crítica, é normal, mas escutem os jogadores, escutem os jogadores, perguntem se os jogadores estão seguros, se eles vão para o jogo seguros, e eu tenho certeza que vão dizer que sim", completa.

O presidente do Fortaleza mantém sua defesa ao protocolo da CBF mesmo após a situação do Flamengo e justifica dizendo que o futebol testa jogadores, comissão técnica e todos os envolvidos no jogo com frequência.

"O futebol muito provavelmente é o ambiente que mais teve cuidado com os seus colaboradores durante a pandemia. Todos são testados várias vezes e não só os jogadores, comissão técnica, funcionários, o cara que limpa o campo, pessoal de cozinha, e todos os setores do clube fazem testes, e não só no Fortaleza, nos clubes em geral, então a gente está buscando cuidar bem do nosso pessoal para poder jogar, para não deixar o campeonato se acabar", afirma Paz.

"É o ideal? Não é o ideal, mas tem algo que a gente tem que fazer com certo sacrifício e aprender a conviver com essa situação", conclui.

Os Canalhas: Quando e onde?

O programa Os Canalhas vai ao ar toda terça-feira, às 14h, em transmissão ao vivo, disponível na home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte no Youtube e no Facebook e Twitter, com os jornalistas João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana entrevistando personalidades importantes do esporte brasileiro. Inscreva-se no canal Os Canalhas no Youtube para conferir mais de João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana.