PUBLICIDADE
Topo

Campeão pelo Palmeiras-96, Sérgio Soares compara time ao Flamengo de 2019

Do UOL, em São paulo

11/09/2020 04h00

Volante no time do Palmeiras que foi campeão paulista com o ataque de 100 gols em 1996, Sérgio Soares. Mesmo tendo sido reserva na maior parte da competição, ele considera a realização de um sonho o período sob comando de Vanderlei Luxemburgo e diz que o time tinha mais apetite em relação ao Flamengo de Jorge Jesus em 2019.

Em entrevista ao programa Os Canalhas, com os jornalistas João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana, Sérgio Soares destaca o apetite ofensivo do time que tinha Djalminha, Rivaldo, Müller e Luizão.

"O mais legal assim que eu vejo do Palmeiras de 1996 era o apetite que aquele time tinha para jogar futebol, o Palmeiras fazia um, fazia dois, fazia três e continuava em cima do adversário, seja ele quem fosse. Nos clássicos, a gente ganhou do Santos na Vila de 6 a 0, quem imagina o Santos tomar de 6 na Vila Belmiro?", diz Soares.

Questionado sobre quem jogava o futebol mais ofensivo e vistoso entre o Palmeiras de Luxemburgo em 1996 e o Flamengo de Jorge Jesus em 2019, o jogador afirma que o time paulista tinha mais 'apetite' e que naquela época já tinha métodos que estão em alta hoje.

"Apesar de o futebol ter mudado, o Palmeiras de 1996 era apetitoso, o Palmeiras já tinha essa transição que tem hoje dentro do futebol, essa agressividade em 1996. Se nós trouxermos para o momento atual, o Palmeiras de 1996 jogando essa época aqui com a intensidade e marcação alta, o Palmeiras de 1996, não tenho a menor dúvida que era muito mais apetitoso num futebol diferente", opina Sérgio Soares.

Os Canalhas: Quando e onde?

O programa Os Canalhas vai ao ar toda terça-feira, às 14h, em transmissão ao vivo, disponível na home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte no Youtube e no Facebook e Twitter, com os jornalistas João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana entrevistando personalidades importantes do esporte brasileiro. Inscreva-se no canal Os Canalhas no Youtube para conferir mais de João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana.