PUBLICIDADE
Topo

Richarlyson: "Muricy transparece as coisas, mas nunca foi técnico bonzinho"

Do UOL, em São Paulo

16/07/2020 04h00

Durante o período mais vitorioso de sua carreira, Richarlyson teve Muricy Ramalho como técnico no São Paulo, conquistando três títulos brasileiros em 2006, 2007 e 2008, além de ser eleito um dos melhores da competição ao ganhar o prêmio Bola de Prata de 2007. Ele considera o perfil de Muricy como crucial para chegar aos troféus e caracteriza o treinador como paizão, mas obcecado pela perfeição e que não poupava xingamentos aos seus comandados.

Em entrevista ao programa Os Canalhas, com os jornalistas João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana, Richarlyson detalha o trabalho com Muricy no São Paulo, a preocupação dele com o lado pessoal dos jogadores e a forma como o treinador conseguiu montar uma defesa sólida, que tomava poucos gols, enquanto o ataque se tornou um dos mais perigosos nas jogadas aéreas.

"Talvez o segredo do Muricy seja a humildade com que ele transparece as coisas e, diga-se de passagem, o Muricy não é um treinador bonzinho, então não confundam as coisas, pelo contrário, ele é exigente pra caramba. Quantas vezes eu não fui xingado na beira do campo pelo Muricy, inúmeras, até agora no Legends, ele me xingou na beira do campo", afirma Richarlyson.

"Ele era exigente o absurdo, fazia tudo da forma assim mais perfeita possível, cobrava mesmo, não tinha dó de xingar, aquele jeitão dele, que todo mundo conhece, mas ao mesmo tempo, o cara paizão, o cara que sabe lidar com certas emoções, o cara sabe lidar com o cara no dia em que o cara está mal, que o cara não chegou bem, que o cara está com problema de família, sei lá, o filho está doente em casa, ou brigou com a mulher, ele sabe fazer isso muito bem. Talvez seja esse diferencial. O Muricy não trata o atleta só como atleta profissional, ele lembra que antes do atleta tem um ser humano", completa o jogador.

O exemplo dado por Richarlyson a respeito das cobranças de Muricy é justamente do ano em que foi eleito um dos melhores volantes do Campeonato Brasileiro, em 2007, quando até o jogo do título, o São Paulo havia tomado apenas 13 gols em 33 jogos, o que ajudou o clube a garantir a taça com cinco partidas de antecedência.

"No começo do ano, a gente vinha tomando muitos gols de bola parada. O que o Muricy fez? Começou a treinar exaustivamente essa bola parada, não só defensivamente como ofensivamente. E aí o que aconteceu? Nós ficamos numa defesa de bola parada impressionante, mas não passava nem pensamento naquela época ali na área, porque a gente treinava exaustivamente", afirma o jogador.

"Treinávamos mais de uma hora de bola parada, exaustivamente, e ai de o time reserva fazer gol no treinamento, ficava ali até eles nem cabecearem. O Muricy não gostava nem que o time reserva cabeceava a bola, nosso time considerado titular tinha que cabecear todas, o reserva não podia tocar na bola. Então assim, o que isso demonstra para mim? Que a repetição, ela te leva à perfeição", conclui Richarlyson.

Os Canalhas: Quando e onde?

O programa Os Canalhas vai ao ar toda semana em duas edições semanais, na terça-feira, às 14h, e na quinta-feira, às 18h, em transmissão ao vivo, ou gravado, disponível na home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte no Youtube e no Facebook e Twitter, com os jornalistas João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana entrevistando personalidades importantes do esporte brasileiro. Inscreva-se no canal Os Canalhas no Youtube para conferir mais de João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana.