PUBLICIDADE
Topo

José Carlos Peres: 'Sampaoli chegou em baixa e estava maior que o Santos'

Do UOL, em São Paulo

19/05/2020 14h00

O programa Os Canalhas desta semana tem como entrevistado José Carlos Peres, presidente do Santos, que conta aos jornalistas João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana os bastidores da relação com o técnico argentino Jorge Sampaoli e a conturbada saída do clube após o vice-campeonato brasileiro de 2019, que virou disputa judicial e a declaração do treinador de que não pisa no Santos enquanto o atual mandatário presidir o clube alvinegro.

Peres conta desde a busca a Sampaoli na Argentina, em baixa após a participação com a seleção de seu país na Copa do Mundo de 2018, o pedido milionário do técnico para a permanência e o rompimento no final de 2019, antes de negociações do treinador com o Palmeiras e, segundo o dirigente, uma espera pelo comando do Flamengo.

"Sampaoli é um mala", diz Peres. "Na Argentina ele entrava no ônibus de chapéu para não verem que era ele, os caras estavam querendo pegar ele lá por causa da Copa. Só que ele veio no Santos e ele casou com o time do Santos, e aí ele começou a crescer. Chegou uma hora, ele estava maior que o Santos e quando virou maior que o Santos, ele virou presidente do clube. Eu, como presidente, não sou maior do que o Santos, mas ele ultrapassou o presidente e era maior do que presidente, que o clube", completa o dirigente.

Peres também cita as reclamações de Sampaoli em relação ao time do Santos, mesmo após a contratação de jogadores que haviam sido pedidos pelo técnico e a conturbada reunião que selou o fim da relação.

"Fizemos uma reunião que foi super tumultuada. Teve muito grito, eu não sou de perder a paciência, mas perdi. Então, a questão toda é que lá ele pediu demissão. 'Aqui eu não fico se não me dar R$ 100 milhões para gastar com jogadores e quem contrata sou eu'. Eu falei, 'pô, agora assumiu de vez o cargo'. Primeiro que eu não tenho R$ 100 milhões e segundo que não é assim que se trata", diz Peres.

Pedida alta e interesse do Palmeiras

O presidente santista diz que Sampaoli já havia oferecido, por meio de seu staff, seus serviços ao Palmeiras e que esperava pela saída de Jorge Jesus do Flamengo com o objetivo de assumir o comando do atual campeão brasileiro e da Libertadores.

"Veio pedir R$ 100 milhões de investimento e foi atrás de quem? Do Palmeiras. Aí ele utilizou um coordenador, um gerente que nós contratamos a pedido dele, que é ligado a ele, e esse, segundo a informação que a gente teve, ele foi lá oferecer para o Palmeiras. estava esperando o Jesus ir embora o tempo todo para tentar assumir o local, e foi isso. Então ele criou um fato e eu acho que faltou inteligência para ele. Hoje era para, óbvio que não esperava essa pandemia, mas era para ele ter iniciado esse campeonato voando", afirma o dirigente.

"E ele sempre dizia para mim e eu dizia para ele também, eu confiava nisso. 'Esse ano não é ano para ganhar, é para montar. Ano que vem nós vamos ganhar título'. E a gente confiou piamente que ele continuasse, infelizmente dinheiro valeu mais, ele quis ganhar mais, pediu um caminhão de dinheiro para o Palmeiras e não acertou, depois foi para o Atlético-MG lá e acabou se acertando, mas realmente faltou para ele um pouco, no meu entendimento, faltou um pouco de inteligência porque ele tinha tudo no Santos", completa Peres.

A entrevista também trata de temas como o retorno do futebol em relação à pandemia do novo coronavírus, a disputa em relação a valores pelos direitos de TV, o relacionamento do Santos com Neymar e a possibilidade de alguns dos principais nomes do elenco atual do Santos serem ou não negociados.

Os Canalhas: Quando e onde?

O programa Os Canalhas vai ao ar toda terça-feira, às 14h, em transmissão ao vivo, ou gravado, disponível na home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte no Youtube e no Facebook e Twitter, com os jornalistas João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana entrevistando personalidades importantes do esporte brasileiro. Inscreva-se no canal Os Canalhas no Youtube para conferir mais de João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana.