Topo

Esporte


Brasileiro liderava categoria de motos elétricas antes de incêndio

Eric Granado ao lado da moto que usaria na categoria MotoE: todas as motos foram perdidas em um incêndio um dia depois desse clique - Reprodução/Instagram
Eric Granado ao lado da moto que usaria na categoria MotoE: todas as motos foram perdidas em um incêndio um dia depois desse clique Imagem: Reprodução/Instagram

Leandro Pinheiro e Thiago Tassi

Colaboração para o UOL, em São Paulo

15/03/2019 04h00

O incêndio que atingiu o paddock do autódromo de Jerez de la Frotera, na Espanha, assustou o mundo da motovelocidade na madrugada de ontem (14). O fogo destruiu motos e equipamentos dos pilotos da MotoE, categoria elétrica que vai estrear neste ano. O brasileiro Eric Granado, da Avintia Esponsorama Racing, havia liderado a sessão de testes no dia anterior, mas viu a alegria pelo resultado dar lugar à tristeza por causa do incidente.

"Toda a estrutura foi destruída, todas as ferramentas e equipamentos de todas as equipes também. Minha moto foi uma das 23 que queimaram", disse Granado, em contato com o UOL Esporte. "Lamento muito pelo ocorrido. É uma perda inestimável para todos da organização e para nós pilotos. O que me conforta é saber que todos estão bem e a estrutura da Dorna [organizadora da categoria] é muito forte, então tudo isso será superado em breve. Logo, logo estaremos novamente na pista", acrescentou.

Incêndio no paddock de Jerez de la Frontera destrói motos da MotoE - Reprodução
Incêndio no paddock de Jerez de la Frontera destrói motos da MotoE
Imagem: Reprodução

O fogo tomou conta do paddock do autódromo por volta de 0h15 local (20h15 no horário de Brasília) e não deixou feridos. As motos estavam no espaço para os testes de pré-temporada, que tiveram início na quarta-feira (13). A causa do incêndio ainda está sob investigação.

Apesar do contratempo, a organização da MotoE informou que ainda pretende realizar a disputa do campeonato em 2019. No entanto, o calendário -- com cinco etapas e início previsto para o dia 5 de maio -- deve sofrer alterações.

Para Eric Granado, o incidente não vai abalar a temporada de estreia da categoria de motos elétricas. Pelo contrário. O brasileiro acredita que a organização da MotoE e os pilotos sairão mais fortes após o ocorrido. "Todos são profissionais experientes e, por mais que o acidente tenha sido triste, todos têm o apoio de suas equipes. Tenho certeza que ninguém irá se abater. Isso tornará a categoria ainda mais forte", acrescentou.

Eric Granado: antes da MotoE, ele foi bicampeão do Superbike Brasil - Divulgação
Eric Granado: antes da MotoE, ele foi bicampeão do Superbike Brasil
Imagem: Divulgação

Eric Granado é o único brasileiro entre os 18 pilotos que correrão com a moto elétrica em 2019 e liderava as atividades em Jerez. No dia anterior ao incêndio, o primeiro das três datas reservadas para treinos no local, anotou o tempo de 1m48s984. A volta do piloto do Brasil foi 0s433 mais rápida que a do finlandês Niki Tuuli, segundo colocado na sessão. "O resultado foi a melhor parte, com certeza. A avaliação é positiva. Trabalhei muito com a equipe pra encontrar o melhor acerto para a moto. Mesmo que com pouco tempo de pista, consegui ser rápido logo no início".

A criação da MotoE foi anunciada em 2018 como uma categoria auxiliar para a MotoGP, a ser disputada em provas próximas de 10 voltas nos domingos de corrida. Ao todo, ela contará com 12 equipes e pilotos como Sete Gibernau e Bradley Smith. Eric Granado é atual bicampeão do Superbike Brasil e tem passagens pela Moto2.

Mais Esporte