PUBLICIDADE
Topo

Tênis

Austrália deixa porta aberta para Djokovic disputar Australian Open em 2023

Novak Djokovic, na chegada ao Aeroporto Internacional de Belgrado, na Sérvia - REUTERS/Christopher Pike
Novak Djokovic, na chegada ao Aeroporto Internacional de Belgrado, na Sérvia Imagem: REUTERS/Christopher Pike

17/01/2022 11h07

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, deixou a porta aberta para Novak Djokovic competir no Aberto da Austrália do ano que vem, apesar do astro do tênis enfrentar uma proibição automática de entrar no país pelos próximos três anos.

O tenista número um do mundo deixou a Austrália, ontem, após a Corte Federal manter uma decisão do governo de cancelar seu visto, encerrando uma longa novela por conta das regras contra a covid-19 para a entrada no país e pelo status de não vacinado de Djokovic.

De acordo com as leis australianas de Imigração, Djokovic não pode receber outro visto por três anos, a não ser que o ministro australiano de Imigração aceite que há motivos convincentes ou solidários.

"Eu não vou pré-condicionar nada, ou dizer nada que não possa permitir que o ministro tome as várias decisões que ele precisa tomar", disse Morrison à rádio 2GB na segunda-feira, enquanto o sérvio já estava a caminho de Dubai.

"Há um período de três anos, mas há a oportunidade para que a pessoa volte nas circunstâncias certas, e isso será avaliado no momento certo."

A decisão unânime de uma turma de três juízes da Corte Federal deu o golpe final na esperança de Djokovic de buscar seu 21º título de Grand Slam no Aberto da Austrália, que começou hoje.

Substituto de Djoko no Grand Slam australiano, o italiano Salvatore Caruso perdeu para o sérvio Miomir Kecmanovic por 3 sets a 0.

Tênis