PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Morato mostra confiança no acesso do Vasco e aponta caminho para a recuperação: 'O coletivo voltou a funcionar'

Esporte News Mundo (redacao@esportenewsmundo.com.br)

23/09/2021 15h12

O atacante do Vasco Morato se recusa a jogar a toalha e aceitar a permanência do clube na Série B em 2022. Em entrevista coletiva nesta quinta-feira, após o treinamento, ele mostrou confiança na recuperação da equipe, apesar do panorama desfavorável com 10 pontos de distância para o G-4 na tabela. Para ele, o caminho para a recuperação está traçado com a chegada de Fernando Diniz, que teria feito o jogo coletivo voltar a funcionar.

- O coletivo não estava funcionando. Entendo que não funcionou como funciona agora. Eu acredito nisso, meus companheiros também. Para o Vasco vencer, o coletivo terá de se sobressair. O Fernando é isso. Ele pratica bastante o que acha que pode ser diferencial. Ele pratica mais de uma hora a saída de bola, o apoio ofensivo e o apoio defensivo. Para a gente estar sempre juntos. Não importa o tempo do treino, tem é de funcionar.

O jogador mostrou confiança e fez um apelo para que os torcedores não deixem de acreditar e abracem o time na reta final da Séria B.

– Por que não? Vamos acreditar. É o que eu peço ao torcedor. Não desistir. Enquanto há esperança, temos de acreditar. Ainda mais quem está aqui. Torcedor, vem com o seu time. Abraça. Não tem outra alternativa. Foi isso que você escolheu amar. Do seu amor eu faço a minha dedicação, a minha profissão. É o zelo maior que eu posso ter. Por vezes, pode não ser à altura. Mas a gente se dedica. Ninguém está aqui de sacanagem, de brincadeira. Aqui as coisas estão sendo feitas. Na boa ou na ruim, não desiste não. Vamos juntos – completou.

O Vasco volta a campo nesta sexta-feira, às 21h30, quando enfrenta o Brusque, fora de casa.

Outras respostas de Morato na coletiva:

Partida contra o Cruzeiro

Acho que foi a minha melhor partida pelo Vasco. É um jogo coletivo e quando isso é positivo, com certeza, um jogador vai se destacar. O que mais importa é o coletivo, e eu faço parte disso. Não vo jogar contra 11 e sair driblando. Agora, quando o coletivo funciona, dá certo. Foi comigo, foi com o Marquinhos Gabriel, com o Cano.

Sobre a hipótese e não subir

Frustração. Ainda mais com a camisa do Vasco. Se fosse outro cenário em outro clube, seria tranquilo só não cair para a Série C. Mas com o Vasco não é assim. A gente não fala nisso. A gente só fala em acesso. Não importa o que passou, mas vamos em busca de 10 vitórias em 13 jogos. A gente vai em busca disso. Até pela última atuação, acho que o torcedor pode acreditar também.

Primeiro contato com a torcida:

Foi meu primeiro contato com o torcedor no estádio e tinha a expectativa que isso acontecesse o quanto antes. Fizemos um jogo grande, contra um grande clube e com o torcedor voltando ao estádio e me motivei ainda mais. O torcedor vai vaiar e aplaudir. Estão ali pelo clube deles e quem estiver indo bem, vão idolatrar. Quem não, vão criticar. Todos nós sabemos disso. Ao mesmo tempo, a gente entende que em certas circunstâncias precisa desse apoio. Aqueles poucos torcedores ali fizeram um grande barulho. Apoiaram do início ao fim porque viram as coisas funcionando. Temos que trazer o torcedor para o nosso lado. As boas partidas coletivas farão com que o torcedor venha em massa. Estamos nessa juntos.

Futebol