PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Site: Fifa pode punir ingleses que não liberaram jogadores às Eliminatórias

Raúl Jiménez não foi liberado pelo Wolverhampton para defender a seleção mexicana - Matthew Ashton - AMA/Getty Images
Raúl Jiménez não foi liberado pelo Wolverhampton para defender a seleção mexicana Imagem: Matthew Ashton - AMA/Getty Images

Esporte News Mundo (redacao@esportenewsmundo.com.br)

02/09/2021 13h23

A FIFA, entidade máxima que regulamenta o futebol no mundo, vem estudando possíveis punições a alguns clubes ingleses que não permitiram a liberação de seus jogadores para servirem as seleções que disputam as Eliminatórias para a Copa do Mundo. De acordo com as informações publicadas pelo site inglês "The Athletic", nesta quinta-feira (02), Newcastle, Wolverhampton e Watford podem sofrer sanções da entidade por conta de queixas que foram feitas pelas Federações nacionais.

No caso, os atletas envolvidos são: Miguel Almirón (Newcastle/Paraguai), Raúl Jiménez (Wolverhampton/México) e Francisco Sierralta (Watford/Chile). Todos foram impedidos de viajarem até os seus respectivos países, já que teriam que cumprir uma quarentena obrigatória no retorno à Inglaterra por conta das medidas de restrição para a não propagação da pandemia. Assim, como não foram liberados, os jogadores serão desfalques nas próximas rodadas das Eliminatórias.

Por conta dos desfalques, as Federações citadas entraram em contato com a FIFA para pedir uma explicação e um posicionamento da entidade a respeito da atitude dos clubes. Caso a FIFA leve adiante a sanção, os jogadores seriam impedidos de jogar num período de cinco dias a partir do último jogo disputado pela respetivas seleções (9 de setembro), o que os faria perder jogos da Premier League.

A não liberação de atletas para algumas seleções foi uma medida tomada em comum acordo pelos clubes que disputam a Premier League e contou com o aval da direção da competição. Como existem países que estão na lista vermelha do Reino Unido devido à grande possibilidade de contágio pelo Coronavírus, os jogadores teriam que cumprir uma quarentena obrigatória de dez dias, perdendo assim partidas importantes inclusive por competições continentais.

Alguns casos, como por exemplo o do egípcio Mohamed Salah, foram trabalhados em um acordo entre clubes e Federações para que nenhum tipo de prejuízo fosse encontrado em um dos lados. Como as federações de Paraguai, México e Chile entraram em contato com a FIFA para destacar esses três casos em específico, a entidade deve atuar para resolver a questão. Os demais clubes que não liberaram seus jogadores e não contam com nenhuma reclamação na entidade, não devem sofrer sanções.

Esporte