PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Espanha vence Japão na prorrogação e pegará Brasil na final do masculino

03/08/2021 15h09

Tóquio, 3 ago (EFE).- A Espanha sofreu muito, mas venceu nesta terça-feira o Japão por 1 a 0, e se garantiu na final do torneio masculino de futebol dos Jogos Olímpicos de Tóquio, em que a seleção brasileira já tinha assegurado lugar mais cedo, ao passar pelo México.

Em partida realizada no estádio Saitama 2002, localizado em cidade homônima, o placar foi construído graças a belo gol do atacante Marco Asensio, que, aos 9 minutos do segundo tempo da prorrogação, acertou linda finalização e venceu o goleiro Kosei Tani. um dos destaques dos 120 minutos de bola rolando.

Apesar do bom desempenho do camisa 12 dos nipônicos, a seleção do Japão teve ótimas oportunidades e poderia ter saído de campo com o resultado positivo, que resultaria na primeira decisão olímpica da história do país no futebol.

Neste sábado, os espanhóis enfrentarão a seleção brasileira no Estádio Internacional de Yokohama, palco da conquista do pentacampeonato mundial, em 2002. A equipe nacional europeia tem no currículo dois pódios olímpicos, com o ouro obtido em 1992 e prata de 2000.

Os japoneses, um dia antes, voltarão a entrar em campo em Saitama, para encarar os mexicanos na disputa do bronze. Em caso de vitória, os anfitriões alcançarão a primeira medalha em todos os tempos no futebol masculino e superarão o quarto lugar de 2012, melhor resultado até aqui.

Mais cedo, em Kashima, o Brasil venceu o México nos pênaltis por 4 a 1, após 120 minutos de empate sem gols, se credenciando para participar da terceira final olímpica consecutiva e tentar o bicampeonato na competição, após o outo conquistado no Rio, em 2016.

POUCAS EMOÇÕES.

No tempo normal, a seleção japonesa teve as melhores chances para abrir o placar, principalmente, na etapa inicial. No segundo tempo, contudo, Yoshida derrubou Merino na área, e a arbitragem marcou pênalti. Instantes depois, contudo, o VAR indicou que não houve infração e, inclusive, retirou o cartão amarelo para o defensor.

Pouco antes do fim do tempo regulamentar, as duas seleções se atreveram mais. Aos 31, Mir finalizou e obrigou o goleiro Tani a fazer grande defesa. Um minuto depois do lance, foi a vez de Kubo tentar e parar em Simón.

Nos instantes finais, Tani apareceu para brilhar mais duas vezes, com intervenções importantes que salvaram o Japão e também garantiram o empate sem gols no tempo normal da segunda semifinal do torneio olímpico.

A prorrogação, como se tornou tendência, teve seleções pouco ousadas, aparentemente, esperando para decidir a classificação nos pênaltis, e escassas emoções, especialmente nos primeiros 15 minutos do tempo extra.

Depois do rápido intervalo, a partida ficou mais elétrica. Aos 5, os japoneses estiveram perto de balançar a rede, após bate e rebate dentro da área, em que a zaga da Espanha conseguiu afastar o perigo antes que um adversário batesse para o gol.

Pouco depois, aos 9, Oyarzábal serviu Asensio, que acertou belo chute, indefensável para Tani, decretando a vitória dos campeões mundiais de 2010 e a classificação para enfrentar o Brasil na disputa do ouro olímpico em Tóquio. EFE

bg/rd

Esporte