PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Japão suspenderá emergência sanitária a um mês do início dos Jogos Olímpicos

17/06/2021 14h29

Tóquio, 17 jun (EFE).- O Japão decidiu nesta quinta-feira seguir o que estava previsto e suspender o estado de emergência para a covid-19 na próxima segunda-feira, 21 de junho, na maior parte do país, mas manterá restrições em certas áreas, incluindo Tóquio, a um mês da abertura dos Jogos Olímpicos.

Atualmente, dez das 47 províncias japonesas mais populosas do país são afetadas pelo estado de emergência declarado inicialmente em 25 de abril devido à incidência da doença, incluindo a capital Tóquio (leste) e Osaka (oeste).

A partir de segunda-feira, a emergência sanitária continuará em vigor apenas em Okinawa (sudoeste), mas sete das províncias continuarão a ser afetadas por certas restrições até pelo menos 11 de julho.

Essas restrições influenciarão principalmente a atividade comercial, segundo disse hoje à imprensa o primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga.

"Desde meados de maio houve uma redução contínua no número de novas infecções em todo o Japão e também há menos pacientes em estado grave", acrescentou o chefe do Executivo japonês.

"No entanto, verifica-se também que a redução do número de casos está estagnada em algumas áreas. Além disso, (os especialistas) indicam que há possibilidade de novos surtos", explicou Suga sobre a decisão de manter certas medidas restritivas por enquanto.

As províncias que serão afetadas pelas limitações são Tóquio, Kyoto, Osaka, Aichi, Hyogo, Fukuoka e Hokkaido.

As autoridades vão pedir aos bares e restaurantes desses territórios que fechem às 20h e não sirvam bebidas alcoólicas a partir das 19h.

A decisão foi tomada em um momento de tendência de queda dos casos de covid-19 e de aceleração do índice de vacinação no país, embora ainda haja algum temor de novos surtos antes da abertura dos Jogos Olímpicos, prevista para 23 de julho, em função do aumento do movimento de pessoas e da disseminação de novas cepas mais contagiosas.

O governo anunciou ainda que pretende limitar a 10.000 o número máximo de espectadores nos estádios esportivos, independentemente do estado da pandemia, uma medida que entrará em vigor nos meses de julho e agosto, coincidindo com a celebração das Olimpíadas.

Os organizadores ainda não decidiram se e em qual medida permitirão que o público entre nas instalações da competição, mas, se o acesso for permitido, eles terão que seguir as diretrizes do governo.

Esporte