PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Edina Alves diz que mira Jogos de Tóquio e sonha com Copa de 2022

26/02/2021 20h14

Redação Central, 26 fev (EFE).- A brasileira Edina Alves, primeira mulher escolhida pela Fifa para apitar uma partida do Mundial de Clubes, o que aconteceu no começo deste mês, no Catar, revelou nesta sexta-feira que seu objetivo para este ano é ser árbitra nos Jogos Olímpicos de Tóquio e que sonha estar na Copa do Mundo do ano que vem.

"Espero que a situação com o vírus se normalize, que possamos voltar à nossa vida normal e que possamos ter os Jogos Olímpicos. Estou tentando trabalhar para ser chamada, esse é o meu objetivo. A Copa do Mundo de 2022 seria um sonho para mim. Isso não depende de mim, o que depende de mim é trabalhar, trabalhar duro e estar pronta se eles me chamarem. Seria um sonho e uma honra para mim e para todas as mulheres", declarou Edina ao espaço audiovisual da Fifa 'Living Football'.

No último dia 7, a brasileira apitou a vitória do Al Duhail sobre o Ulsan Hyundai por 3 a 1, no jogo que valeu o quinto lugar do Mundial de Clubes. Ela teve a companhia da compatriota Neuza Back e da argentina Mariana de Almeida com auxiliares.

"Foi uma das experiências mais incríveis da minha vida, um presente da Fifa para mim e para toda a minha equipe e uma fonte de orgulho e responsabilidade", comentou Edina, que garantiu que ela e outras mulheres estão prontas para esse tipo de desafio.

"As mulheres são capazes, lutam, conquistam. Elas representam a luta e os sonhos femininos. Quando estou apitando, tento dar o meu melhor e tomar todas as decisões junto com a minha equipe. Minha responsabilidade é a mesma tanto nas competições masculinas quanto nas femininas", considerou.

Além de ter comandado a disputa pelo quinto lugar, Edina também fez parte da equipe para a final, em que o Bayern de Munique derrotou o Tigres, como quarta árbitra. Ela fez questão de esclarecer a polêmica que surgiu porque após o jogo, durante a cerimônia de premiação, ele não cumprimentou um xeque.

"Foi um momento de emoção para mim, mas foi triste ver o que foi dito em alguns meios de comunicação. Foram ditas coisas que não são verdadeiras. Naquele momento, o presidente (da Fifa, Gianni) Infantino simplesmente me parabenizou e aos assistentes pelo trabalho que fizemos até aquele momento, pela partida e nos motivou a continuar trabalhando daquela maneira. Fiquei tão feliz com o momento e minha medalha que não percebi que deveria parar para cumprimentar o xeque que estava ao meu lado", justificou-se.

Outra explicação dada pela brasileira foi negar que tenha se esforçado para se posicionar onde havia fotógrafos. "Não quero que as pessoas inventem mentiras sobre isso. me entristece saber que alguns meios de comunicação dizem coisas sobre a cerimônia de premiação. Não é verdade, nosso presidente (Infantino) tinha acabado de nos dizer que nos saímos muito bem e que deveríamos continuar trabalhando. Gostaria que a participação das mulheres em um campeonato masculino fosse algo feliz e verdadeiro", acrescentou.

Esporte