PUBLICIDADE
Topo

Justiça paraguaia confirma prisão preventiva de brasileiro no caso Ronaldinho

29/05/2020 21h31

Assunção, 29 mai (EFE).- O juiz de garantias paraguaio Gustavo Amarilla confirmou nesta sexta-feira a prisão preventiva de Wilmondes Sousa Lira, acusado de ter entregue a Ronaldinho Gaúcho e ao irmão do ex-jogador, Roberto Assis Moreira, os passaportes falsos com os quais entraram em Assunção, em março, e pelos quais estão presos desde março.

Amarilla declarou à imprensa que considera prudente a permanência de Wilmondes na prisão por não ter raízes no país, até que seja avaliada a propriedade rural de 18 hectares que ele ofereceu como garantia de alguma medida alternativa.

A defesa do empresário também alegou problemas de saúde e riscos de infecção por coronavírus na prisão de Tacumbú, em Assunção, onde seu cliente está preso. O argumento, no entanto, foi refutado pelo juiz.

Além disso, Amarilla disse que o Ministério Público se opõe à libertação de Wilmondes por considerar que há processos pendentes no caso, nos quais ele é acusado de produção de documentos falsos e associação para o crime.

O brasileiro foi preso na noite de 4 de março no mesmo hotel onde Ronaldinho e Assim haviam ficado depois de chegar a Assunção para promover um evento de solidariedade de uma fundação dirigida pela empresária Dalia López.

Em seu depoimento de inquérito, o empresário alegou que os documentos lhe foram dados por Dalia - que também é acusada, mas está foragida - no aeroporto para serem entregues aos irmãos.

Ronaldinho e Assis permaneceram detidos até 7 de abril, quando pagaram fiança. Desde então, cumprem prisão domiciliar em um hotel da capital paraguaia. EFE

lb/dr

Esporte