Topo

Esporte


De Guillermo Amor a Ansu Fati, fábrica de talentos do Barça completa 40 anos

20/10/2019 10h04

Barcelona, 20 out (EFE).- O centro de treinamento das categorias de base do Barcelona, La Masía, um celeiro de craques que também serve como residência para jovens promessas procedentes de outras regiões, completa 40 anos neste domingo.

Desde o primeiro grupo de escolhidos para o alojamento, entre eles o ex-meia Guillermo Amor, atual diretor de relações institucionais e esportivas do Barcelona, até a atual sensação da equipe principal, o atacante Ansu Fati, de 16 anos, La Masía revelou inúmeros talentos nas últimas quatro décadas.

O selo de qualidade da base não é um símbolo apenas para o Barcelona, mas um ícone reconhecido na Espanha e no resto do mundo. Muitos jogadores inicialmente optam por outras entidades, mas os pais acabam escolhendo o clube catalão por causa da atenção, do conforto e do nível de excelência em La Masía.

A data marcante deve contar com uma festa em grande estilo, mas o clube adiou as comemorações devido à convulsão vivida na região da Catalunha devido aos protestos e distúrbios, além da greve geral (da sexta-feira passada), motivados pelo repúdio à decisão do Tribunal Supremo da Espanha de condenar líderes independentistas catalães à prisão.

Em 20 de outubro de 1979, sob a presidência de Josep Lluís Núñez, o Barcelona inaugurou o alojamento de La Masía para jogadores, uma construção rural chamada Masía de Can Planes, edificada em 1702, adquirida e adaptada pelo clube com escritórios.

Na mudança de presidência em 1978, após o término do mandato de Agustí Montal (Raimon Carrasco administrou os últimos meses), Núñez retirou os escritórios de La Masía e destinou o espaço aos jovens jogadores que necessitavam alojamento.

Assim começou a ganhar forma um dos símbolos mais autênticos do clube. A instalação ainda seria expandida com a construção do Miniestadi (para os jogos das categorias de base), no dia 23 de setembro de 1982.

A atualização de La Masía e o Miniestadi e os tempos modernos levaram o Barcelona a aglutinar dois espaços em um, a Cidade Esportiva Joan Gamper, no município de Sant Joan Despí, onde a nova La Masía é um edifício moderno (inaugurado em 2011) e amplo (6.000 metros quadrados).

Além disso, na atual temporada, o Barcelona se despediu do Miniestadi (o clube já tem permissão para a demolição) e inaugurou o Estádio Johan Cruyff (para 6.000 espectadores) dentro da Cidade Esportiva. Agora, o Barça reúne em um mesmo espaço tudo relacionado à formação de atletas.

Desde que foi criada, La Masía foi o lar de jogadores que depois se destacaram na equipe principal do Barcelona e na seleção espanhola.

De acordo com o clube, os primeiros residentes de La Masía foram Romà Albarrán, Betriu, Pep Boada, Òscar Lausín, José Fernández, Guillermo Amor, Esteve Castañer, Manuel Bautista 'Bata', César Redondo, Manolo Muñoz e Ricardo Arnal.

Após os primeiros, a lista é interminável, com destaques para Andrés Iniesta, Carles Puyol, Iván de la Peña ou Josep Guardiola. No entanto, falar de La Masía não se trata apenas de mencionar o antigo alojamento de atletas, mas também o centro de formação.

Alguns dos nomes lá revelados são Ángel Pedraza, Nayim, Luis Milla, Albert Ferrer, Sergi Barjuan, Francisco Rufete, Roger García, Xavi, Albert Luque, Pepe Reina, Thiago Motta, Víctor Valdés, Sergio García, Cesc Fàbregas, Gerard Piqué, Bojan Krkic, Pedro Rodríguez, Giovani dos Santos, Sergio Busquets, Jordi Alba, Thiago Alcântara, Marc Bartra, Oriol Romeu, Rafinha Alcântara, Gerard Deulofeu, Sergi Roberto, Munir El Haddadi, Adama Traoré e Ansu Fati, entre muitos outros. EFE

Esporte