PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Após acordo, C.Ronaldo pagará multa milionária por fraude fiscal na Espanha

22/01/2019 09h50

Madri, 22 jan (EFE).- O português Cristiano Ronaldo, jogador da Juventus, foi condenado nesta terça-feira a 23 meses de prisão - que não cumprirá - e a uma multa de 18,8 milhões de euros por fraude fiscal à Fazenda espanhola após o acordo fechado com a Promotoria de Madri.

Fontes jurídicas informaram à Agência Efe que o atacante português reconheceu os fatos diante do tribunal da Seção 17 da Audiência Provincial de Madri em um julgamento que não durou nem cinco minutos, ao se tratar de uma formalidade após o acordo alcançado entre a defesa do jogador e a Promotoria.

Assim, Ronaldo aceitou uma condenação de 23 meses de prisão e uma multa de 18,8 milhões de euros, como autor de quatro crimes fiscais entre 2010 e 2014 - quando era jogador do Real Madrid - pelos quais deixou de pagar 5,7 milhões de euros ao fisco.

A audiência durou apenas cinco minutos, nos quais o jogador se limitou a responder "sim" quando lhe perguntaram se admitia os fatos dos quais era acusado e pelos quais aceitava o acordo com a Promotoria e a Fazenda que evitará sua prisão.

Após isso, CR7 permaneceu alguns minutos nas dependências judiciais até que às 10h24 locais (7h24 em Brasília) deixou a Audiência de Madri acompanhado de sua namorada Georgina.

Como era esperado, Ronaldo não parou para fazer declarações à imprensa e se limitou a dizer que tudo foi "perfeito" antes de entrar em seu veículo.

Assim, Ronaldo se junta a outros de jogadores como Luka Modric, Marcelo, Radamel Falcao, Angel Di Maria e Javier Mascherano, que também incorreram em crimes contra a Fazenda Pública espanhola e chegaram a acordos com a Promotoria para reduzir possíveis penas.

Em um primeiro momento, o Ministério Público cifrou em 14,7 milhões de euros a fraude tributária cometida pelo jogador português. Porém, após o acordo, reduziu o valor para 5,7 milhões de euros, mas Cristiano também terá que pagar quase 19 milhões entre juros e multas.

No acordo, a Promotoria assegura que o jogador português se aproveitou de uma estrutura societária criada em 2010 para ocultar ao fisco os rendimentos gerados na Espanha pelos direitos de imagem, algo que representa um descumprimento "voluntário" e "consciente" de suas obrigações fiscais na Espanha.

O órgão judicial espanhol também acrescenta que Ronaldo apresentou em sua declaração de imposto de renda de 2014 rendimentos de 11,5 milhões de euros de fonte espanhola entre 2011 e 2014, quando os valores reais obtidos foram de quase 43 milhões de euros.

Por último a Promotoria afirma que Ronaldo não incluiu "voluntariamente" rendimentos que a Fazenda espanhola estimou em 28,4 milhões de euros por direitos de imagem a outra sociedade à qual ele já tinha cedido estes direitos entre 2015 e 2020, chamada Adifore Finance LTD, que só operava em território espanhol. EFE

Esporte