PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Maradona se solidariza com Koulibaly e diz ter sofrido racismo na Itália

30/12/2018 14h44

Roma, 30 dez (EFE).- O argentino Diego Maradona escreveu postagem no Facebook neste domingo, em que se solidarizou com o zagueiro senegalês Kalidou Koulibaly e admitiu também ter sido alvo de manifestações racistas quando atuou pelo Napoli, entre 1984 e 1991.

"Eu joguei sete anos no Napoli e também sofri com os cânticos racistas de algumas torcidas", disse o lendário camisa 10.

Na última quarta-feira, parte dos torcedores da Inter de Milão presente no estádio San Siro, fizeram diversas manifestações tendo Koulibaly como alvo, como a imitação do som feito por macacos. Houve anúncio no sistema de som, o árbitro Paolo Mazzoleni foi alertado, mas, o jogo seguiu.

O senegalês foi expulso no fim do segundo tempo, por falta no meia-atacante italiano Matteo Politano, e, pouco depois, o meia argentino marcou o gol da vitória dos donos da casa sobre o Napoli por 1 a 0.

"Eu me sinto um napolitano mais e, hoje, quero estar do lado de Kalidou Koulibaly. Espero que tudo isso marque um antes e um depois, para acabar de vez com o racismo no futebol", afirmou 'El Pibe'.

A postagem de Maradona é acompanhada de uma foto do ex-jogador argentino empunhando uma camisa do Napoli de número 26 e com o nome do zagueiro senegalês.

Por causa das manifestações racistas de torcedores, a Inter de Milão foi punida com a obrigação de jogar duas partidas com portões fechados pelo Campeonato Italiano, e o fechamento do setor norte, onde se localizam os ultras mais radicais, por um terceiro compromisso. EFE

Esporte