PUBLICIDADE
Topo

MMA


MMA

Treinador promete transformar Mackenzie Dern em 'máquina de bater' no UFC

 Mackenzie Dern durante duelo contra Nina Nunes no UFC - Chris Unger/Zuffa LLC via Getty Images
Mackenzie Dern durante duelo contra Nina Nunes no UFC Imagem: Chris Unger/Zuffa LLC via Getty Images

Carlos Antunes, no Rio de Janeiro (RJ)

Ag. Fight

16/04/2021 06h00

Com quase cinco anos de MMA profissional, Mackenzie Dern já está entre as melhores lutadoras do mundo. Depois de vencer Nina Nunes no UFC Vegas 23, a atleta alcançou o top 5 do ranking do peso-palha (52 kg) e ganhou destaque no cenário da modalidade. Mas para ter boas performances dentro do octógono, a lutadora focou em um trabalho específico para ficar em plena forma. E antes do luta mais importante de carreira, a faixa-preta de jiu-jitsu recorreu a um especialista em preparação física: Rogério Camões.

O treinador ganhou fama mundial por trabalhar durante anos com Anderson Silva, em período em que o brasileiro reinava absoluto no peso-médio (84 kg) do Ultimate. Após a aposentadoria de 'Spider' do MMA, 'Rogerão' quis focar suas atenções na nova geração, mas um fator praticamente familiar o uniu com Mackenzie nesta fase de carreira.

Quando jovem, Rogério deu aulas de judô para o então garoto Wellington 'Megaton' Dias, pai de Mackenzie, e que foi um dos grandes nomes do jiu-jitsu de sua geração. Naturalmente, por nutrir carinho especial pela lutadora, o preparador físico revelou, em entrevista à reportagem da Ag. Fight, que não pôde negar o convite de treiná-la para o duelo contra Nina Nunes.

"Ela sempre teve o sonho de treinar comigo, com o mestre do pai dela, e ela precisava melhorar e trabalhar o físico - e tudo aconteceu no momento certo. Acabei de encerrar a carreira do Anderson Silva, que era a prioridade. Quando terminei a carreira dele eu pensei até em me aposentar e aí surgiram alguns garotos e a Mackenzie agora. Estou revivendo com ela o que vivi com o pai dela. Ela me chama de 'tio' e disse que precisava da minha ajuda porque era uma luta importante, que estava se sentindo bem fisicamente e queria melhorar. Ela nem acabou de falar e eu já disse que estaria com ela", narrou.

Louis Grasse / PxImages

Após dar início ao trabalho em alto nível com Mackenzie, 'Rogerão' não demorou para apontar a atleta como 'sucessora' de Anderson Silva como prioridade entre seus atletas de MMA. O preparador físico destacou sua empolgação com a parceria e adiantou que imagina um futuro brilhante para a multicampeã de jiu-jitsu.

"Vejo a Mackenzie como performance de luta, mas de imagem também. Ela tem uma estrela e é bem semelhante a do Anderson. Ela é bonita, carismática e braba. Eu vi algumas estrelas que eram bonitas. No Strikeforce tinha a Gina Carano, que era linda e perdeu para a Cris 'Cyborg', mas saiu dali e foi para o cinema. Vi a Ronda chegando também, bonita, brilhando. A Miesha Tate também, que teve o momento dela. Quando olho para elas, vejo a Mackenzie e digo: 'Chegou a próxima'", afirmou, emendando.

"O trabalho que estou desenvolvendo para ela é deixá-la com o shape que nenhuma delas teve, vai ficar escultural. Ela vai ficar uma lutadora fitness. Vai ter um corpo bonito e a vejo como uma das musas mais bonitas. Quero transformá-la em uma máquina de bater e linda. Tem que vir diferente. Ela vai vir com esse upgrade. Muito forte, muito gás e linda. Quando ela sair do UFC e virar atriz de cinema (risos)", completou Rogério.

Para fazer de Mackenzie a máquina que deseja, 'Rogerião' já tem em mente tudo em que precisa trabalhar. Sobre o último camp, o treinador fez questão de elogiar a genética da atleta, que soube compartilhar os treinos físicos com boa nutrição. Além disso, Camões recordou sua antiga parceria com Ronaldo 'Jacaré' para confirmar que sabe moldar um lutador oriundo do jiu-jitsu para brilhar no MMA.

"A referência é a campeã. Ela é um monstro, forte, muito treinada, tem um lastro de judô, é boa na trocação e fisicamente é forte demais. Meu primeiro objetivo é levar a Mackenzie a ter essa mesma capacidade física. O meio do caminho vai ser para ser evoluir e experimentar. A experiência que tive de pegar um cara do jiu-jitsu e virar uma máquina eu tenho e vou reproduzir na Mackenzie. A metodologia está pronta. Ela ainda tem que adquirir lastro e está longe do limite. Está longe do limite dela. Esse é o tempo que preciso para deixá-la no nível da campeã. Ela precisa de um ano de trabalho, de duas a três lutas. Esse é o meu plano, como treinador", concluiu o preparador físico.

MMA