PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Pedro Munhoz celebra primeiro main event no UFC e diz que temeu não encarar Edgar

Ag. Fight

Ag. Fight

07/08/2020 06h00

O duelo entre Pedro Munhoz e Frankie Edgar parece que finalmente vai sair do papel. O combate, que sofreu três adiamentos, dois por opção do Ultimate e outro após brasileiro testar positivo para o coronavírus, está agendado para a luta principal de uma edição do UFC que acontece da 22 de agosto, em Las Vegas (EUA). Quem comemorou a confiança da organização pela manutenção da luta foi o paulista, que admitiu ter, em certo momento, o receio de perder a chance de encarar um ex-campeão da franquia.

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag.Fight, o atual número cinco do ranking do peso-galo (61 kg) afirmou que, como foi o responsável pelo adiamento da última data do combate contra Edgar, devido ao teste positivo para a COVID-19, pensou que o UFC pudesse escalar outro adversário para o americano. No entanto, com a confirmação da luta, o brasileiro elogiou a postura do seu rival aceitar querer enfrentá-lo.

"Fiquei um pouco preocupado do Edgar pegar outra luta, mas ao mesmo tempo pensei que não ocorreria pelo fato dele ter se preparado para lutar comigo. Ele é profissional. Ele tem toda uma preparação para as lutas dele e eu também faria o mesmo. Não aceitaria um rival faltando uma semana sabendo que poderia enfrentar o Edgar. Fiquei contente pela atitude dele de esperar, porque foi algo que não tive controle", disse.

No dia 15 de julho, Pedro Munhoz e Frankie Edgar fariam a co-luta principal de um evento na 'Ilha da Luta', em Abu Dhabi (EAU) - por um pedido do americano, que adiantou que não estava pronto para um compromisso de cinco rounds em sua primeira atuação na nova categoria. No entanto, agora eles vão encabeçar o evento e, de acordo com o brasileiro, a mudança foi uma requisição do ex-campeão do peso-leve (70 kg).

"Quando tive a proposta de lutar com ele seria a principal, mas alguém do time deles não aceitou e agora veio do lado deles essa ideia. Como sempre faço camp de cinco rounds, mesmo que vá para uma luta de três, o condicionamento físico não vai ser problema nenhum. Sempre estou treinando, cuido da minha saúde, então fisicamente estou bem sempre", afirmou o lutador da American Top Team, antes de valorizar o feito de fazer um main event no Ultimate e o que isso vai representar para a sua carreira.

"É um marco, um feito bem grande para minha carreira, vida pessoal também de fazer parte de uma luta principal no UFC. É definitivamente um sonho. Mostrar que todo trabalho duro gera uma recompensa", completou o atleta que está no UFC desde 2014.

A poucas semanas do seu retorno ao octógono, pois não luta desde junho de 2019, Munhoz recordou os momentos delicados que enfrentou ao saber que seu exame tinha dado positivo para a COVID-19. Inicialmente, o lutador recebeu essa notícia com espanto, apesar de revelar que tinha perdido o olfato e estava com cansaço muscular.

"A princípio fiquei chocado, porque estava me sentindo bem e fiquei frustrado por ser uma luta que estava aguardando e queria muito. Tive dor de cabeça um dia, que não é raro para mim. Dois dias de cansaço, mas pensei que poderia ser por estresse, todo trabalho de mídia que fiz, dieta, questão de família também. Foi mais cansaço físico e estresse. Percebi também que durante uns dez dias perdi o olfato, achei que era alergia. Quando fica gripado e demora a sensação de voltar o cheiro", contou.

Pedro Munhoz é o número cinco do ranking da divisão. Até ser superado por Aljamain Sterling, no UFC 238, em sua última atuação dentro do octógono, o brasileiro vinha de uma grande sequência de vitórias, quando acumulou três, sendo a última delas, inclusive, sobre o ex-campeão dos galos Cody Garbrandt por nocaute.

Esporte