PUBLICIDADE
Topo

MMA


UFC 251 vende 1,3 milhão de pay-per-views, maior número desde 2018

Petr Yan acerta golpes em José Aldo no último round da disputa pelo cinturão, no UFC 251 - Jeff Bottari/Zuffa LLC
Petr Yan acerta golpes em José Aldo no último round da disputa pelo cinturão, no UFC 251 Imagem: Jeff Bottari/Zuffa LLC

Ag. Fight

Ag. Fight

14/07/2020 11h01

O badalado card do UFC 251, realizado no último sábado, em Abu Dhabi (EAU), deve ficar marcado para a história da organização.

De acordo com o site 'The Athletic', o evento - que marcou a inauguração da 'Ilha da Luta' e teve três disputas de cinturão - vendeu aproximadamente 1,3 milhão de pay-per-view, números que, se confirmados, atingem a maior marca de vendas da entidade desde a edição 229, em outubro de 2018, quando promoveu o duelo entre Conor McGregor e Khabib Nurmagomedov na luta principal do show.

Os bons números na venda de pay-per-view para o UFC 251 já haviam sido antecipados por Dana White na semana pré-evento, com o presidente da liga comparando o interesse do público justamente com o evento que trouxe McGregor e Nurmagomedov como protagonistas. A adição, de última hora, de Jorge Masvidal ao card do show do último sábado foi responsável por um crescimento ainda maior nas vendas. Após tomar ciência dos números através da reportagem do site 'The Athletic', 'Gamebred' - que acabou derrotado por Kamaru Usman na luta principal do evento - utilizou sua conta no 'Twitter' para agradecer aos fãs pelo apoio.

"A esmagadora quantidade de apoio que eu recebi antes, durante e depois dessa jornada tem me tornado humilde. Ainda tenho muitos objetivos para conquistar. A todos vocês que sintonizaram para me assistir vencer, obrigado. Aquele que sintonizaram para me ver perder, obrigado", escreveu Jorge Masvidal.

Após chegar a um impasse financeiro e ver as negociações iniciais com o Ultimate para encarar Kamaru Usman fracassarem, Masvidal chegou a um acordo com a organização restando uma semana para a realização do UFC 251, para substituir Gilbert 'Durinho', que havia sido escalado como desafiante em seu lugar, mas testou positivo para covid-19 e ficou impossibilitado de lutar. De acordo com o próprio lutador americano, um dos pontos que o fizeram assinar o contrato nas tratativas de última hora foi justamente uma maior participação nos lucros com vendas de pay-per-view.

MMA