PUBLICIDADE
Topo

Córner de Wilder joga toalha e interrompe massacre aplicado por Tyson Fury

Tyson Fury (à direita) derruba Deontay Wilder durante lutaem Las Vegas - Steve Marcus/Reuters
Tyson Fury (à direita) derruba Deontay Wilder durante lutaem Las Vegas Imagem: Steve Marcus/Reuters

Diego Ribas, em Las Vegas (EUA)

Ag. Fight

23/02/2020 03h06

Realizada no Hotel Cassino MGM, em Las Vegas (EUA), a revanche entre os pesos-pesados Deontay Wilder e Tyson Fury valia o cinturão do Conselho Mundial de Boxe (WBC) e trouxe muito mais do que dois invictos astros do pugilismo brigando pela supremacia do esporte.

Em uma espécie de cerimônia de "passagem de bastão", Evander Holyfield, Lennox Lewis e Mike Tyson, ídolos dos anos 90 que levaram a fama do boxe a outro patamar, subiram ao ringue enquanto suas lutas eram passadas no telão. Emocionada, a plateia reverenciou a todos, e rapidamente se posicionou para assistir o mais novo capítulo dessa história ser escrito diante de seus olhos.

Invictos e com apenas um empate em suas carreiras, justamente no duelo entre eles no final de 2018, Fury e Wilder se enfrentaram mais pesados do que antes, cada um com cerca de 9 kg a mais. E isso fez a diferença para o britânico, que com mais de 120 kg bateu mais forte do que de costume e levou vantagem em cada clinche durante os sete assaltos disputados.

Com dois knockdowns a seu favor e ampla vantagem no confronto, Fury puniu o rival a todo instante e obrigou o córner do então campeão a jogar a toalha e decretar o final da disputa. Com a reconquista de um título mundial por parte do atleta inglês, ele tem a responsabilidade de liderar essa nova geração dos pesos-pesados, que parece pronta para escrever novos capítulos na história do esporte.

Aos 31 anos, o atleta inglês, que em 2015 abandonou os cinturões mundiais da WBA, WBO, IBF e IBO para tratar do vício em drogas, afivelou o título que lhe faltava e ampliou seu cartel para 30 triunfos e um empate.

A luta

O primeiro round surpreendeu pelo jogo franco e agressivo dos dois atletas. Sem tempo para estudo, eles tentaram se impor no centro do ringue e, a cada colisão, fortes golpes eram disparados. E apesar da contundência do americano, a vantagem ficou para Fury, que acertou mais, principalmente jabs.

A segunda etapa também pendeu para o britânico. Enquanto o campeão apostava em jabs potentes na linha do corpo e overhands de direita com potência total, Fury caminhou para frente, pressionou com jabs e fez o rival tremer com dois cruzados de direita, levando a plateia ao delírio.

Melhor taticamente, Fury acertou importantes cruzados antes de cada clinche, quando puniu com golpes no corpo. No final do assalto, um overhand de direita que atingiu a nuca do campeão o levou a knockdown, abrindo larga vantagem ao desafiante, que ainda voltou a ver o rival no chão, mas graças a um desequilíbrio que não valeu a abertura da contagem de pontos.

O quarto round foi morno e contou com os dois pesos-pesados demonstrando cansaço. Fury caminhou mais para frente e pode ter levado nova parcial pela vantagem territorial. Na etapa seguinte, aproveitando a falta de movimentação do campeão, Fury partiu com tudo para o ataque e, depois de balança-lo com um direto de esquerda, o derrubou com um cruzado de esquerda no fígado. Nova parcial para o desafiante.

A sexta etapa foi morna e marcada pelo constante avanço do desafiante, que esbarrava na defesa de Wilder e nos diversos clinches, tática que preservou o campeão em determinados momentos do combate. Nada, porém que o salvasse no sétimo assalto.

Cansado e vítima dos potentes golpes, tanto no corpo quanto na cabeça, Deontay estava entregue e viu seu time jogar a toalha no centro do ringue em sinal de desistência. Aos 34 anos, o americano conheceu sua primeira derrota, em um cartel que conta com 42 e um empate além da luta deste sábado.

Esporte