PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Sem afobação, Viviane Araújo preza por boa preparação antes de disputar cinturão

Gaspar Bruno, no Rio de Janeiro (RJ)

Ag. Fight

11/12/2019 18h09

Viviane Araújo parece mesmo não cansar de surpreender, dentro e fora dos octógonos. Após um ano 'bombástico' no Ultimate, a brasileira inova também nas declarações que fogem do senso comum dos atletas de MMA. Ao ser perguntada sobre uma possível disputa de cinturão, a peso-mosca (57 kg) driblou o tradicional 'imediatismo' pelo título mundial e preferiu, primeiramente, por uma preparação a longo prazo, a fim de se 'calejar' e ganhar experiência.

Durante entrevista exclusiva à reportagem da Ag Fight, 'Vivi' justificou sua postura cautelosa ao ressaltar que realizou apenas dois confrontos pelo UFC - sua estreia foi em maio de 2019. Sendo assim, a brasileira admitiu que atualmente seu foco é em melhorar cada vez mais suas performances dentro dos octógonos. O que, de acordo com a própria, fara com que um eventual 'title shot' aconteça naturalmente.

"Na verdade, estreei esse ano, ainda estou indo para a minha terceira luta no UFC. Estou em ascendência, estou crescendo no evento, quero continuar crescendo, fazendo lutas duras contra atletas duras. Mostrar realmente meu trabalho dentro do octógono. E fazendo um trabalho bem feito, com lutas empolgantes - que os fãs gostam -, consequentemente o cinturão vai vir. Não estou visando o cinturão em si, e sim ter boas performances para quando ele vier, eu estar na minha melhor forma, preparadíssima", analisou Araújo.

Em meio a uma categoria em que Valentina Shevchenko reina soberana, Viviane aconselhou suas adversárias a seguirem seus passos e se lutarem mais vezes antes de tentar encarar a campeã do Quirguistão. Na visão da peso-mosca brasileira, 'Bullet', atualmente, está em outro patamar, se comparada as demais atletas de sua divisão de peso.

"Vejo isso com coerência sim. As meninas ali do top 10 têm que se testar mais entre elas até chegar ao cinturão. Porque numa disputa de cinturão tem que estar muito preparada e com um 'timing' de luta excelente para enfrentar a Valentina, que é uma atleta supercompleta. Quanto mais lutar antes da disputa de cinturão, melhor. Ela (Shevchenko) está acima das demais, vejo assim. A Valentina é supercompleta e ainda segue em ascensão, mostrando porque é a dona do cinturão", opinou Vivi.

No entanto, querendo ou não, em caso de vitória neste sábado (14) Viviane se aproximará de vez de uma disputa de cinturão. Afinal de contas, Jessica Eye, sua próxima rival, é a atual número 2 do ranking, além de ex-desafiante ao título da categoria. Portanto, em um confronto tão importante para a carreira da brasileira, a atleta explosiva na trocação da 'Cerrado MMA' quer mostrar uma nova faceta de seu jogo no UFC 245: o jiu-jitsu.

"Sim, é a luta mais importante da minha vida e carreira. Vou lutar com a Jessica Eya, que é muito dura, bem agressiva. Não à toa é a segunda do ranking hoje, mas estou superconfiante, treinei bastante. Vai ser um duelo bem interessante entre a gente, porque sou uma atleta explosiva como ela. Vou usar meu ponto forte que é a velocidade contra ela. A Jessica já é uma atleta mais lenta, a característica dela de luta é mais lenta e plantada. Então vou usar minha velocidade e explosão e, quem sabe, usar meu jiu-jitsu - que até agora não mostrei na organização. Espero levar a luta para o chão e conseguir uma finalização sobre ela", projetou a peso-mosca.

Além da luta de 'Vivi', o supercard do UFC 245 contará com três disputas de cinturão. Nos meio-médios (77 kg) Kamaru Usman defende seu reinado em um duelo repleto de rivalidade contra Colby Covington. Nos pesos-penas (66 kg) Max Holloway procura estender sua dominância na categoria diante de Alexander Volkanovski. Já entre as mulheres, Amanda Nunes mede forças com Germaine de Randamie para defender seu cinturão peso-galo (61 kg) e também o posto de melhor lutadora de todos os tempos.

Esporte