Topo

Esporte


Alexandre 'Capitão' abre o jogo sobre lesão e estabelece meta para 2020 no PFL: "Ser o campeão"

Diego Ribas, em Las Vegas (EUA)

Ag. Fight

03/12/2019 06h00

Em seu último compromisso dentro do octógono, Alexandre 'Capitão' Almeida não teve uma boa performance e acabou eliminado na fase 'mata-mata' do Grand Prix do PFL 2019. No entanto, poucos sabem os percalços que o brasileiro teve que superar antes de ser derrotado por Lance Palmer, na 8ª edição do evento, em outubro. Em entrevista exclusiva à equipe da Ag Fight, o peso-pena (66 kg) amazonense abriu o jogo e revelou que competiu com uma grave lesão.

Capitão relembrou que convivia com dores desde a temporada de 2018. No entanto, o brasileiro deu prosseguimento na carreira, pois o incômodo havia desaparecido. Um ano depois, durante o camp para os 'playoffs' do torneio peso-pena do PFL, Alexandre voltou a sentir a lesão - desta vez com maior intensidade. Mas apesar das adversidades, o atleta da 'Syndicate MMA' decidiu encarar o desafio que estava por vir, mesmo longe da forma física ideal.

"Esta lesão, já sentia ela desde o ano passado. Aí melhorou, tomei remédio e continuei treinando, comecei o camp para esse ano no PFL normal, sem dor. Fiz a primeira luta, mas treinando para o playoff machuquei de novo, comecei a sentir de novo, e me prejudicou novamente a dor, mais forte do que na primeira vez, no ano passado. Não conseguia treinar, aí fui para a luta só na guerra mesmo porque tinha que lutar. (Durante) a luta piorou mais ainda. Saí da luta direto para o hospital, fiz a ressonância e deu que estou com uma hérnia de disco e vou ter que fazer uma cirurgia para voltar melhor no ano que vem, se Deus quiser. Devo fazer a cirurgia no dia 15 de dezembro, e terei dois meses de recuperação, para voltar aos treinos e me preparar para a próxima temporada do PFL, que deve começar no final de maio ou início de junho", narrou Capitão.

Alexandre fará o procedimento cirúrgico na cidade onde mora, em Las Vegas (EUA). Caso a previsão dos médicos se concretize, o brasileiro voltará à ativa por volta do primeiro trimestre de 2020 - a tempo de disputar a próxima temporada do PFL. Com um cartel ainda modesto na liga, com três vitórias e três derrotas, o brasileiro vislumbra um futuro promissor pela frente. Assim como fez no Jungle Fight e no WSOF, o peso-pena pretende conquistar o cinturão da organização americana.

"Avalio minha temporada no PFL como muito boa. Porque estava com essa lesão e ainda fiz uma boa temporada, cheguei nos playoffs. Perdi para o cara que já venci, e querendo ou não é o melhor da categoria. Eu lesionado, sem condições de ficar em pé, ele não fez nada comigo. Tenho plena certeza que 100% eu ganho de qualquer um nessa categoria no PFL. Não só no PFL, como qualquer um no mundo. Com a saúde em dia, sem lesão, estou preparado para qualquer atleta e qualquer lugar. Mas no PFL eu vou ser campeão em 2020", previu o amazonense, antes de falar sobre o futuro na companhia.

"Meu plano para 2020 é estar bem de saúde e focar no PFL. É uma organização que me sinto muito bem, já estou nela há cinco anos, sou bem tratado. Meu foco é ficar no PFL e trazer esse milhão para a minha família. Para 2020, é foco no PFL, que me trata bem e me paga bem. Em 2021 PFL de novo se Deus quiser, tentar o segundo título, essas são minhas metas", completou o brasileiro.

Por ora, Alexandre está fora de combate devido à lesão sofrida e a cirurgia agendada. Mas certamente o brasileiro estará de olho na grande final do 'GP' dos pesos-penas do PFL. Seu algoz nas quartas-de-final, Lance Palmer disputa o título do torneio contra Daniel Pineda. No mesmo show, o brasileiro Natan Schulte defende seu reinado nos pesos-leves (70 kg) diante de Loik Radzhabov. O evento ocorrerá no dia 31 de dezembro, com sede em Nova York (EUA).

Esporte