Topo

Esporte


Deiveson critica inatividade de Cejudo e cobra cinturão interino dos pesos-moscas no UFC

Gaspar Bruno, no Rio de Janeiro (RJ)

Ag. Fight

10/10/2019 08h00

Deiveson conta com cartel respeitável no MMA: 16 vitórias e apenas um revés - Ag Fight

Henry Cejudo não defende o seu reinado nos pesos-moscas (57 kg) desde janeiro. E apesar do hiato de dez meses, ainda não há previsão de quando o campeão olímpico de wrestling competirá novamente na categoria mais leve do UFC entre os homens. Essa falta inatividade tem irritado os demais atletas da categoria, e Deiveson Figueiredo é um deles. Atual número 3 do ranking e um dos postulantes ao título, o 'Deus da Guerra' cobrou a criação de um cinturão interino, a fim de minimizar a ausência do campeão dos octógonos.

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag Fight, o brasileiro criticou a falta de assiduidade de Cejudo na divisão e pediu para que o atual bicampeão do Ultimate focasse em apenas uma categoria de peso daqui em diante. Caso a situação se prolongue, Deiveson sugeriu que o UFC crie um cinturão interino para os pesos-moscas e case um duelo entre ele e Joseph Benavidez para a possível disputa.

"O Cejudo é um cara que está enrolando aí na categoria, não quer defender o cinturão dele. Então poderiam colocar o Benavidez comigo, para rolar um cinturão interino aí. Já foi marcada minha luta com Benavidez mas não deu certo, então agora era a hora perfeita de fechar uma disputa de cinturão interino entre eu e ele. (O Cejudo) vem atrapalhando, com certeza. Esse cara tem que tomar uma decisão. Ou ele fica em baixo - ele já realizou o sonho dele que era pegar o título da categoria de cima. Agora é a hora dele escolher uma das duas, tem que defender, não pode ficar parado", criticou Deiveson, antes revelar seus ambiciosos planos para o futuro.

"Ele (Cejudo) está segurando (a categoria), tinha que tomar uma decisão imediatamente. Já que ele prefere a categoria dos galos, tira esse cara e coloca uma disputa de cinturão linear. Não fica atrasando a vida de quem quer seguir na categoria. Seria ótimo, colocar eu e Benavidez, seria uma grande luta para nós. E pegando esse cinturão eu ia atrás do Cejudo lá no 61 kg. Esse é meu objetivo, pegar esse cinturão do 57 kg e um dia conquistar o do 61 kg. O foco total é esse. Pode ter certeza que não vou fazer o que o Cejudo está fazendo - atrasar a vida dos outros", completou o 'Deus da Guerra'.

Mas para que os planos e sugestões de Deiveson saiam do papel, o brasileiro terá que, primeiro, confirmar a boa fase em seu próximo compromisso na companhia. O atleta da 'Marajó Brothers Team' encara Tim Elliot neste sábado (12), no UFC Tampa, com sede na Flórida (EUA). Tendo em vista que seu rival está abaixo dele no ranking, na sexta colocação, Deus da Guerra revelou o motivo de ter aceito o confronto.

"Sim, com certeza (aceitei para levantar uma grana). Não era uma luta interessante para mim, até porque ele é um cara menos ranqueado do que eu, mas é uma luta boa porque eu quero me testar contra esse cara que faz um jogo chato, de querer colocar a luta para baixo todo tempo. Aceitei por isso. Vou fazer uma luta focado na defesa de queda, movimentando bastante para que não aconteça. Neutralizando o jogo dele, vou fazer prevalecer meus golpes, meter mão dura nele para que ele possa sentir e se entregar para um nocaute ou finalização na noite deste sábado. Estou focado nessa luta, e no que pode vir após dela. Quem sabe aí uma disputa de cinturão interino ou até mesmo o linear", concluiu o brasileiro, em conversa com a Ag Fight.

Mais Esporte