PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Em má fase, 'Pitbull' minimiza chance de demissão e mira título do UFC

Thiago "Pitbull" Alves, lutador do UFC - Steve Marcus/Getty Images
Thiago "Pitbull" Alves, lutador do UFC Imagem: Steve Marcus/Getty Images

Ag. Fight

20/01/2019 08h00

Thiago 'Pitbull' já foi um dos postulantes ao título dos meio-médios (77 kg), quando enfrentou o então campeão Georges Saint-Pierre, em 2009. Hoje, dez anos depois, a situação do brasileiro é diferente. Vindo de duas derrotas seguidas no Ultimate, o lutador venceu apenas um de seus últimos cinco compromissos. No entanto, apesar do retrospecto recente negativo, o atleta da 'American Top Team' descartou a possibilidade de ser demitido do UFC em caso de novo revés.

O brasileiro entra em ação novamente no dia 2 de fevereiro, no UFC Fortaleza. Thiago mede forças contra o americano Max Griffin, que também vem de derrota na liga. E, durante entrevista exclusiva com a equipe da Ag Fight, Pitbull revelou o motivo que o faz acreditar que a chance de ser dispensado pelo Ultimate é remota.

"Duvido que eu seja demitido, mas nunca se sabe. Tanto que na última luta, eu não perdi, fui meio que 'garfado'. Na cidade dos russos lá, para ganhar lá de um russo tem que nocautear ou finalizar. Por ponto, ninguém ganha. Se você for olhar a luta, eu ganhei o primeiro, ganhei o segundo e ganhei a maioria do terceiro - perdi um minuto e meio ali no final do terceiro. Terminei a luta me defendendo com ele (Alexey Kunchenko) atacando. Mas se olhar a luta, eu ganhei dois rounds com certeza, mas infelizmente deram para ele (a vitória)", disse.

"Infelizmente já é a terceira vez que perco duas seguidas no UFC, mas lutando em alto nível, essas coisas acontecem. Para mim é vitória garantida em Fortaleza, vou chegar firme e vamos ver no que vai dar depois (questões contratuais). Procuro me preocupar com os problemas quando eles acontecem", afirmou Thiago.

E, como se não bastasse, além da confiança em sua permanência na organização, Pitbull não descartou a possibilidade de disputar o cinturão de sua categoria. A firmeza nas palavras pode estar atrelada ao fato do brasileiro retornar para sua cidade natal no próximo combate. Há 14 anos no UFC, Thiago fará sua primeira luta em Fortaleza desde que entrou na liga.

"O foco é sempre ser o melhor, né? Não adianta nada você estar treinando, lutando, se você não acredita que pode ser o melhor. Então, até pela história que eu tenho com o UFC, se eu ganhar umas duas lutinhas aí, eles já me botam como main event. Estou focado em dar sempre o meu melhor, e claro, o cinturão está sempre ali na visão, mas uma luta de cada vez. Focar em ganhar essa, depois a próxima e assim por diante. Mas o cinturão está sempre na cabeça, sempre no meu coração, mas o foco é ganhar a luta agora", afirmou o brasileiro.

Mas se ainda almeja grandes feitos no Ultimate, Thiago precisa abandonar a má fase o quanto antes. Aos 35 anos, o atleta já esboçou um prazo para se manter na ativa dentro dos octógonos. Portanto, vitórias nos próximos compromissos são fundamentais para o cearense voltar à elite dos meios-médios antes de pendurar as luvas do MMA.

"Tenho mais três lutas - essa e mais duas no meu contrato com o UFC. Estou com 35 anos e luto desde os 17, quando comecei a lutar profissionalmente no muay thai. Então já tenho aí uns 20 anos de porrada. E, na verdade, estou me sentindo na melhor fase agora, me sentindo bem para caramba, treinando com os melhores caras do mundo, e de igual para igual. Mas não quero ficar lutando para sempre, então acho que com uns 37 anos eu deva parar", projetou o atleta da 'ATT'.

Ao longo de sua trajetória como profissional de artes marciais mistas, Pitbull somou 22 vitórias e 13 derrotas em seu cartel.

Esporte