PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Megan Anderson minimiza mudança de sede do UFC 232 e dispara: "Ranking não significa nada"

Diego Ribas, em Inglewood (EUA)

Ag. Fight

29/12/2018 08h00

A mudança de sede do UFC 232 às vésperas do evento foi motivo de críticas de diversas pessoas ligadas ao MMA, mas não foi o caso de Megan Anderson. A peso-pena (66 kg), que foi diretamente afetada pela troca de cidade, já que atuará no show deste sábado (29), declarou que a transferência do card de Las Vegas para Inglewood (EUA) não atrapalhou tanto seus planos no final das contas.

Durante entrevista coletiva que contou com a participação da Ag Fight, a australiana afirmou que um camp bem realizado não é afetado por uma mudança dessa natureza. Ainda de acordo com Megan, o que mais a deixou irritada recentemente foi a possível descida de peso para os galos (61 kg) de Macy Chiasson, atual campeã do TUF 28 na categoria dos penas.

"Foi interessante saber através das redes sociais (sobre a nova sede) que mudou. Mas para mim, estava preocupada apenas com uma confirmação, para que eu pudesse avisar aos meus treinadores e eles pudessem ajustar seus voos. Mas para nós realmente não foi um problema, será o mesmo cage, sendo em Vegas ou Los Angeles, estarei fazendo o mesmo trabalho. Trabalhei durante doze semanas para esta luta, e uma mudança de sede não vai afetar o meu jogo, e o objetivo de conquistar essa vitória", antes de comentar a situação de Macy, que é cotada para estrar na nova categoria em março, no UFC 235.

"Isso na verdade me irritou mais do que a mudança de sede. Fiquei tipo: 'Se você quer lutar na divisão, então faça campanha para lutar nessa divisão ao invés de aceitar lutas nos pesos-galos (61 kg). É isso que você ganha quando traz pesos-galos para abrir uma categoria que não é sua classe de peso", concluiu.

A insatisfação de Megan se justifica, já que sua categoria possui poucas atletas e é a única do Ultimate que não possui ranking oficial, apenas uma campeã - Cris 'Cyborg'. A ausência de uma lista das melhores lutadoras até 66 kg faz com que a própria australiana se confunda sobre seu futuro na divisão, caso vença Cat Zingano no UFC 232.

"Espero que seja um combate que defina a desafiante ao título, mas nós não temos como saber - esse é o ponto. No UFC, o ranking não significa nada mais. Torço para que seja um duelo de desafiantes top 1, mas nunca se sabe", disparou a peso-pena, antes de fazer um apelo ao Ultimate

"Para mim, prefiro que eles (UFC) comecem a assinar com pesos-penas (66 kg). Isso é uma prioridade maior para mim do que conseguir a chance pelo título. Quero mostrar que essa divisão é rentável, que vale a pena investir nela. E que o UFC comece a contratar mais gente ao invés de oferecer combate nos pesos-galos", finalizou.

Esporte