PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Renato 'Moicano' projeta ter torcida contra em luta com José Aldo no UFC Fortaleza

Diego Ribas, em Las Vegas (EUA)

Ag. Fight

19/12/2018 08h00

Renato 'Moicano' terá pela frente o maior desafio de sua carreira. E não é para menos, uma vez que o brasiliense enfrentará o ex-campeão do UFC José Aldo. Durante entrevista exclusiva à equipe de reportagem da Ag Fight, o peso-pena (66 kg) em ascensão no Ultimate admitiu que a maior popularidade de seu adversário deve se traduzir inclusive no amplo apoio da torcida dentro do Ginásio Centro de Formação Olímpica do Nordeste no dia 2 de fevereiro, em Fortaleza.

E na opinião de Moicano, ter a torcida contra em um duelo contra Aldo não é nenhuma surpresa. Até porque, nas palavras do brasiliense, o ex-campeão do UFC está na mesma prateleira de nomes que transcenderam o limite de eu próprio esporte, como Anderson Silva e 'Guga'. Mas apesar da teórica desvantagem no ginásio, Renato garante que está preparado e não se intimidará com o apoio dos fãs ao seu rival.

"Com relação a torcida contra, eu acredito (que terei). O Aldo é um ídolo nacional, meu ídolo também. Então acredito que a torcida com certeza vai estar a favor dele. Mas isso também não me intimida pelo fato de mesmo não tendo lutado no UFC no Brasil, quando lutava no Brasil no Jungle Fight, sempre lutava na casa dos adversários, só lutei uma vez em Brasília. Então sempre tinha torcida toda contra. Mas não me abalo, é só chegar lá dentro e mostrar o serviço, minha cabeça está sempre focada em dar o meu melhor, então não vejo isso como problema não", garantiu, antes de comentar a relevância de Aldo no Brasil.

"Porque o Aldo é o Aldo, né? Um grande campeão, ele tem muita mídia em cima, um cara que aparece em TV aberta, que as pessoas conhecem muito. Então o público que não acompanha o MMA de fato, o público casual, também conhece o Aldo. Então isso é muito importante para o esporte, e com certeza isso traz os fãs para o lado dele. Sim, tem um filme dele. Ele é um dos nomes do Brasil que transcendeu o esporte, é conhecido por pessoas que nem acompanham. Mesma coisa com Anderson Silva, Vitor Belfort, Guga, esses caras. A gente pega uma lenda, e temos que respeitar", analisou.

Escalado anteriormente para ser reserva do duelo pelo cinturão entre Max Holloway e Brian Ortega no UFC 231, no dia 8 de dezembro, Moicano não bateu o peso exigido da categoria. Para evitar que a façanha se repita, o brasileiro revelou que pretende voltar aos treinos desde já com uma dieta restrita. Renato ainda demonstrou bom humor ao afirmar que vai 'pegar leve' nas ceias características de final de ano.

"Ia passar o final de ano aqui (Brasil), mas não vai ter jeito não, vamos ter que treinar. (passar natal e Ano Novo) Treinando, vou comer tatame, nada de ceia (risos). A gente teve esse probleminha de não ter conseguido bater o peso da categoria para a luta do cinturão, não batemos a tolerância que é 146 libras (66,2 kg). Mas como é uma luta muito importante, a gente já vai começar a dieta na próxima semana. Já estamos com alguns profissionais para trabalhar bem forte e chegar lá 100%, no peso e sem nenhum problema. (ceia de natal) Pode esquecer, vai ser no máximo um arrozinho, um legume e um frango", ironizou o peso-pena durante conversa com a Ag Fight.

Moicano, que vem de vitória contra Cub Swanson em agosto, aproveitou para analisar a disposição das principais lutas do UFC Fortaleza. E devido ao seu momento, somado a representatividade de Aldo, o brasiliense opinou que seu duelo contra o 'campeão do povo' deveria ser o principal do show com sede em Fortaleza, uma vez que o vencedor do combate provavelmente lutará pelo cinturão em seguida.

"Acredito até que a luta contra o Aldo deveria ser a luta principal, pelo nome do Aldo, pelo o que ele representou pelo esporte, por tudo que ele fez pelo MMA. Apesar de que a luta do Raphael e do Moraes também é uma excelente luta. Na minha visão é uma luta que vai colocar um dos dois pelo cinturão, a minha e a do Aldo também. Mas pela história do Aldo, por ele ser um ex-campeão, a gente deveria fazer esse main event. Não vejo pressão, e sim motivação de corresponder às expectativas que o UFC coloca em mim, de me escalar em um card no Brasil contra o Aldo, vai ser uma luta excelente", opinou.

Atual número 4 do ranking oficial do UFC, Renato vem de duas vitórias seguidas e busca - em caso de triunfo sobre Aldo - a tão sonhada chance de disputar o cinturão da categoria até 66 kg. Ao longo de sua trajetória como profissional o atleta da American Top Team soma 13 vitórias e apenas uma derrota em seu cartel.

Esporte