PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Treinadores de atletas do UFC São Paulo detalham trabalho mental na semana da luta

Felipe Paranhos, em São Paulo (SP)

Ag. Fight

22/09/2018 07h00

Trocação, chão, wrestling... Enumerar as áreas em que os treinadores precisam trabalhar seus atletas parece fácil. Mas, quando chega a semana da luta, toda a habilidade e a estratégia para o combate ficam em segundo plano. O processo de corte de peso e a tensão dos atletas pela contagem regressiva para a subida no octógono faz com que os técnicos atuem muito mais no ajuste psicológico do lutador ? seja para manter a concentração, seja para não deixá-lo desistir durante a desidratação pré-balança. Tata Duarte, da TFT, e Cristiano Marcello, da CM System, dois dos principais treinadores do país, falaram à Ag. Fight sobre as especificidades dos dias que antecedem um evento do UFC como o que ocorre neste sábado (22) em São Paulo.

Duarte, responsável pelo comando técnico de Thiago 'Marreta', que enfrenta Eryk Anders na luta principal do show, e Luiz Henrique 'KLB', que pega Ryan Spann no card preliminar, explicou que os compromissos de mídia e de divulgação acabam sendo mais um obstáculo para a preparação final do lutador. Conforme afirmou, uma das tarefas exercidas pelo treinador acaba sendo contornar o estresse do atleta em meio ao trabalho exaustivo e à perda de peso.

"Na verdade, o trabalho na Fight Week, as pessoas acham que o cara vai estar em um hotel cinco estrelas e tal, mas na minha opinião é um saco. Porque você tem 500 coisas para fazer para o UFC, são muitas coisas. E aí o atleta já está com aquele humor dele, você tem que lidar com o humor do atleta, dizendo: 'Não, vamos lá e tal, tem que fazer'. E dentro dessa programação do UFC você ainda tem que tirar o peso do atleta. Você tira peso e faz algumas repetições de movimento de como vai ser a luta. Mas se o cara está tirando muito peso, o mental dele não está nem mais para a luta, está mais para o peso", falou.

"Depois da pesagem a gente normalmente faz um treininho, para o corpo deixar de ser preguiçoso, sair da preguiça. E aí no vestiário você volta a falar da luta. Mas na semana mesmo, é muito a parte mental, da perda de peso, e as coisas que você tem que fazer do UFC. É um trabalho, tem que cumprir horário, tirar foto, dar entrevista. Com o 'Marreta' a gente foi fazer treino aberto, tem 'media day'. Além disso, a gente tem ido dormir muito tarde, porque o evento no Brasil é muito tarde. A gente está treinando 1h da manhã, a luta do Marreta tem previsão de ser por volta de 1h30 da manhã, entendeu? Então você também não pode deixar o corpo do atleta preguiçoso neste horário, então todo dia a gente treina 1h, 1h e pouco", completou Tata.

Marcello, que além de head coach da CM System é lutador de MMA há mais de 20 anos, contou que sua experiência como atleta faz com que ele busque entender as dificuldades do atleta na semana de luta. De acordo com o paranaense, responsável por Elizeu 'Capoeira', que enfrenta Luigi Vendramini no card preliminar do UFC São Paulo, nos dias finais de preparação, a parte técnica é apenas relembrada. O resto é mental.

"A gente já tem uma cultura. Eu, graças a Deus, desde 2001 tenho trabalhado com os melhores atletas do mundo, de alta performance, e não é diferente na CM System. Todo o trabalho que tinha de ser feito, fisicamente falando, de gás, condicionamento físico, já foi feito. Na semana de luta, o primordial é que o atleta não se lesione, então você diminui o treinamento. O foco fica na perda de peso, mas com muita parte técnica também. Na verdade, na semana da luta, nos treinamentos, na conversa, e principalmente no vestiário, no dia da luta, é que você joga tudo aquilo que você tem trabalhado de informações técnicas, para ter aquela lembrança. Mas, com certeza, na última semana é mais foco na perda de peso e a fortificação mental de todos os técnicos, de todos que participaram do camp do atleta", disse.

Tata recordou casos em que o estresse da semana de evento causou rusgas entre atletas e técnicos. Ele aposta na confiança e na forte relação que tem com seus atletas para amenizar eventuais problemas.

"Várias vezes, demais, os caras brigam com você para caramba, passam a semana inteira brigando contigo. É muito desgastante, vocês não têm noção do quão desgastante é isso. Às vezes você já esgotou sua paciência com o cara, mas como é um trabalho em equipe, vem outra pessoa e assume, porque é muito complicado. Estou nisso há muito tempo, e é um negócio que, assim, dependendo do quão intenso esteja sendo o corte de peso... Se o cara veio na programação já leve, as coisas vão fluindo, no final tem aquela semaninha que é chata, os últimos 3 kg e tal. Mas se o cara vem por algum motivo pesado, fez alguma coisa errada, ou às vezes o corpo humano reage, né? Se você pega uma viagem longa, dura, seu corpo sente, demora a desinchar. Se o cara está no limite, é coisa de quase chegar às vias de fato mesmo. Eu já vi cena de 'nego' falando: 'Vou te agarrar, a gente vai ficar na banheira lá dentro'. Eu não vivi este tipo de situação, mas já presenciei com outras pessoas tirando peso também, é complicado. Eu vou muito assim na parte mental. Como eu tenho um relacionamento muito forte com meus alunos, de pai para filho, então a gente consegue, vai na 'manha', vai devagar", contou.

Cristiano Marcello ressaltou que não 'invade' atribuições de outros profissionais, como os de saúde, que auxiliam seus lutadores no processo de desidratação. O técnico destacou que o nível de dedicação do atleta também contribui muito para que a semana do combate seja menos desgastante fisica e psicologicamente.

"Isso é outra coisa, eu passei por isso tudo para que eles não passem. Então sou um cara que tenho humildade suficiente de saber que existem pessoas em cada situação melhor que eu, que entenda melhor. Posso ser o 'head coach', coordenar e colocar em uma direção, mas com certeza cada um sabe mais porque vivenciou, viveu aquilo, sofreu as lesões do esporte. Então eu acho que ele tem o médico dele, que posiciona ele melhor. Lógico que se eu puder colocar um tempero, um incentivo que seja, isso vai ser feito. Mas como ele é profissional, e a gente lida com os melhores profissionais que existem, então fica muito fácil", afirmou.

Confira o card completo do UFC São Paulo, que começa às 19h45 deste sábado (22), com transmissão do canal Combate:

Card principal
Meio-pesado (93 kg) | Thiago 'Marreta' (92,3 kg) vs Eryk Anders (93,2 kg)
Meio-médio (77 kg) | Alex 'Cowboy' (77,5 kg) vs Carlo Pedersoli Jr. (77,2 kg)
Meio-pesado (93 kg) | Rogério 'Minotouro' (93,1 kg) vs. Sam Alvey (93,2 kg)
Galo (61 kg) | Renan Barão (64,3 kg) vs. Andre Ewell (61,2 kg)
Palha feminino (52 kg) | Randa Markos (52,5 kg) vs. Marina Rodriguez (52,3 kg)

Card preliminar
Leve (70 kg) | Charles 'do Bronx' (69,8 kg) vs Christos Giagos (70,6 kg)
Leve (70 kg) | Francisco 'Massaranduba' (70,3 kg) vs. Evan Dunham (70,7 kg)
Meio-pesado (93 kg) | Luis Henrique 'KLB' (92,9 kg) vs. Ryan Spann (92,4 kg)
Pesado | Augusto Sakai (120,5 kg) vs. Chase Sherman (116,6 kg)
Meio-médio (77 kg) | Serginho Moraes (77,4 kg) vs. Ben Saunders (77,2 kg)
Mosca (57 kg) | Mayra 'Sheetara' (56,8 kg) vs. Gillian Robertson (57 kg)
Médio (84 kg) | Thales Leites (84,3 kg) vs. Hector Lombard (84,2 kg)
Meio-médio (77 kg) | Elizeu 'Capoeira' (77,4 kg) vs. Luigi Vendramini (77,3 kg)
Palha feminino (52 kg) | Livia Renata Souza (52,6 kg) vs. Alex Chambers (52,5 kg)

Esporte