PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Alex 'Cowboy' apela por adversários ranqueados: "Não vou ficar pedindo toda hora"

Felipe Castello Branco e Marcel Alcântara, em São Paulo (SP)

Ag. Fight

21/09/2018 12h00

Atual número 14 do ranking dos pesos-meio-médios (77 kg) do UFC, Alex 'Cowboy' não parece estar satisfeito com os confrontos que a organização tem agendado para ele. Isso porque, na opinião do lutador, falta ao Ultimate lhe conceder "a oportunidade" que lhe aproximaria do cinturão da categoria. E isso, de acordo com o brasileiro, passa inevitavelmente por enfrentar adversários melhores ranqueados.

No card do UFC São Paulo do próximo sábado (22), Alex teria finalmente um oponente de renome que, em caso de vitória, possivelmente o alçaria para outro patamar na divisão. No entanto, Neil Magny, número oito da categoria, foi afastado do combate e escalado para enfrentar Santiago Ponzinibbio na Argentina. Com essa mudança, o brasileiro vai encarar Carlo Pedersoli, atleta não ranqueado.

"É a oportunidade que eu peço toda hora para o UFC e eles não me deram ainda, pegar uns caras ranqueados para chegar ao cinturão, mas eu não vou ficar pedindo toda hora, entendeu? Na hora que eles acharem que eu tenho capacidade para chegar lá embaixo, poxa eu ganhei de um ex-campeão, né? Se eu ganhei um ex-campeão quer dizer que eu tenho capacidade pelo menos para disputar. Me dá a oportunidade, que ela vai ser bem aproveitada", desabafou o meio-médio.

"Não, tranquilo. Deus está vendo isso tudo e daqui a pouco eu chego lá, eu sei esperar. As vezes a gente não precisa mudar para ser outra pessoa, a gente tem que ser o que é mesmo. Não sou um cara falastrão, nem brigão, sou um cara lutador, só luto, só isso", completou, ao ser perguntado sobre uma possível mudança de postura.

Enquanto a tão aguardada oportunidade contra um adversário de maior peso não chega, 'Cowboy' parece se focar na questão financeira. Atento aos valores da economia, o atleta apontou o próximo sábado como um bom momento para conquistar um bônus por performance da noite, já que atualmente o dólar está altamente cotado, e equivale a cerca de R$ 4.

"É cara, com certeza. Quem não visa isso está mentindo. Viso sim, esse ano minha segunda luta. Sou um cara que luta quatro, cinco vezes por ano, gosto de lutar. Espero que depois dessa luta, tenha outra esse ano ainda, para fechar o ano com chave de ouro. E o dólar está subindo que é uma beleza, então vamos aproveitar esse momento, quero lutar", analisou o atleta.

"Sou um nocauteador, vim para nocautear ele, vou com tudo para cima, entendeu? Com certeza um bônus é bem-vindo, vai ser meu quinto bônus com esse que eu vou ganhar, tenho certeza que vou ganhar. E irmão, o dólar continua subindo", projetou, em tom descontraído.

Alex Cowboy vem de vitória contra Carlos Condit, em abril deste ano. Para confirmar a boa fase, o atleta terá de vencer 'Semento' no próximo sábado, no ginásio do Ibirapuera, em São Paulo. Aos 30 anos, o brasileiro soma 18 vitórias e cinco derrotas, além de um empate e dois 'no contests' (luta sem resultado).

Esporte