PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Jamaicano ignora provocações de 'Borrachinha': "Deixo ele vender a luta por mim"

Diego Ribas, em Las Vegas (EUA)

Ag. Fight

29/06/2018 16h48

A luta válida pelos pesos-médios (84 kg) que encerrará o card preliminar do UFC 226, no dia 7 de julho em Las Vegas (EUA) já começou, só que fora do octógono. Uma das sensações do momento, invicto e em fase de ascensão na categoria, Paulo Henrique 'Borrachinha' enfrenta o experiente Uriah Hall. Após as declarações com tom de confiança acima da média dadas por seu rival, o jamaicano pareceu não se preocupar e descreveu tal postura como normal, por vir de um atleta mais jovem que está com a autoestima em alta.

Finalista da edição de número 17 do TUF (The Ultimate Fighter), Uriah definiu Borrachinha como jovem, grande e forte, e ironizou também ao dizer que todos os brasileiros que ele conhece não gostam do seu próximo adversário. Já ao comentar sobre o "efeito McGregor", identificado em atletas que usam declarações a fim de promover suas lutas, o jamaicano não se mostrou incomodado, inclusive revelou que já fez coisas semelhantes quando era mais novo, mas que agora prefere ficar sossegado.

"Ele é jovem, está com fome, é a coisa certa a se fazer no esporte, se promover quando se está com confiança, é perfeito. Eu já fiz essas coisas no passado e acho que acrescenta muito, no sentido de tornar as coisas mais interessantes. Ele é provavelmente dado como favorito para a luta, eu acho. Mas as coisas acontecem mesmo quando o cage é trancado, então as pessoas podem achar o que quiserem. Bom para ele, deixe ele fazer o que precisa fazer, deixo ele vender a luta por mim, ele é melhor do que eu nisso, vou ficar na minha", declarou Hall durante media day realizado em Las Vegas nessa última quinta-feira (28).

Apesar do retrospecto recente ruim, com apenas uma vitória em suas últimas quatro lutas, o jamaicano demonstra confiança no triunfo diante do brasileiro. De acordo com ele, o estilo de Borrachinha, que pressiona seus adversários, o favorece, pois é um jogo que deixa brechas.

Agressivo, explosivo e dono de estilo nocauteador, o brasileiro tem atraído olhares da imprensa e sido alvo de comparações com Vitor Belfort no início de sua carreira. Entretanto, Uriah não possui a mesma opinião descarta possíveis semelhanças entre os dois lutadores, apesar de enaltecer qualidades presentes no jogo de seu futuro rival.

"Com relação aos esteroides ou... . Eu não acho , mas ele tem uma coisa boa, ele é bastante confiante, e quando você é confiante você se olha de manhã no espelho e diz 'você vai lá bater em alguém'. Ele é confiante, deixe ele usar isso, eu não vejo outras semelhanças dele com o Vitor, talvez a agressividade, mas ele ainda não enfrentou ninguém como eu, sou muito dinâmico e criativo dentro do octógono. Ele é um lutador confrontador, esse tipo de atleta anda para frente e busca o confronto o tempo todo, e se torna um alvo fácil para mim. Tudo que eu preciso é tempo e uma mínima brecha para aproveitar a oportunidade", revelou o finalista do TUF 17.

Um fato importante a ser analisado no duelo é a inatividade de ambos atletas, que ainda não atuaram em 2018 no UFC. Aos 33 anos, Uriah Hall soma 13 vitórias e oito reveses em sua trajetória como profissional. Já Borrachinha, seu adversário, se mantém invicto com 11 triunfos na carreira, os últimos três deles pela maior organização de MMA do mundo.

Esporte