PUBLICIDADE
Topo

Mulher mais velha do mundo rejeita revezamento olímpico devido à covid-19

Kane Tanaka foi certificada pelo Google como a pessoa mais velha do mundo - Kyodo/Reuters
Kane Tanaka foi certificada pelo Google como a pessoa mais velha do mundo Imagem: Kyodo/Reuters

07/05/2021 10h38

Tóquio, 7 Mai 2021 (AFP) - A pessoa mais velha do mundo, uma japonesa de 118 anos, não participará do revezamento da tocha olímpica dos Jogos de Tóquio devido ao aumento de casos de covid-19 no país, anunciou sua família nesta sexta-feira, (7).

Kane Tanaka, que mora em Fukuoka, no sul do Japão, planejou carregar a tocha em sua cadeira de rodas nos revezamentos em sua cidade na terça-feira.

Mas em um comunicado a que a AFP teve acesso, sua família anunciou que não ela participará definitivamente porque "a disseminação do coronavírus não foi contida".

Nesta sexta-feira, menos de 80 dias antes dos Jogos de Tóquio, o governo japonês estendeu o estado de emergência em quatro departamentos, incluindo Tóquio, além de impor restrições à região de Fukuoka.

Essas medidas, em vigor até 31 de maio, são menos severas do que os confinamentos estabelecidos em outras partes do mundo, mas limitam a atividade.

"A casa de repouso onde Kane reside proibiu visitas para evitar a propagação de micróbios e até agora tem sido capaz de fornecer segurança para seus residentes", declarou a família de Tanaka, afirmando que a senhora esperava ansiosamente por esta oportunidade 'rara e preciosa'.

"Desta forma, dada a situação atual, é uma pena, mas decidimos que Kane Tanaka não participará do revezamento da tocha", acrescentou.

Tanaka nasceu em 2 de janeiro de 1903, o ano em que os irmãos Wright fizeram o primeiro vôo motorizado e Marie Curie se tornou a primeira mulher a ganhar o Prêmio Nobel.

A pandemia e os Jogos Olímpicos:

Desde o início da pandemia, o número de casos de covid-19 no Japão foi reduzido em comparação com outras regiões do mundo, com cerca de 10.500 mortes desde o início de 2020 em um país de 125 milhões de habitantes.

Mas a campanha de vacinação está progredindo lentamente e partes do país estão enfrentando ondas de novas infecções.

Este novo surto de infecções representa uma ameaça para as Olimpíadas de Tóquio (23 de julho a 8 de agosto), adiadas um ano em 2020 devido à pandemia.

Com medo de que os Jogos piorem a situação de saúde do país, a maioria dos japoneses se opõe à realização neste verão e pede que sejam adiados novamente ou cancelados, segundo todas as pesquisas realizadas há meses.

Está descartada a participação de torcedores estrangeiros nos Jogos e os organizadores ainda não definiram se haverá público local.