PUBLICIDADE
Topo

Liga dos Campeões 2019/2020


"Foi um jogo perdido, mas não é o fim", diz Tuchel sobre derrota do PSG

Thomas Tuchel comandando o PSG pela Champions League  - PressFocus/MB Media
Thomas Tuchel comandando o PSG pela Champions League Imagem: PressFocus/MB Media

18/02/2020 21h05

Dortmund, Alemanha, 19 Fev 2020 (AFP) — O técnico alemão do Paris Saint-Germain, Thomas Tuchel, relativizou a derrota de seu time nesta terça-feira nas oitavas de final da Champions League contra o Borussia Dortmund, por 2 a 1, fora de casa.

"Foi um jogo perdido, mas não é o fim. Vamos jogar a partida de volta, temos um grande desafio pela frente. Agora, vamos analisar este jogo, vamos nos preparar para o Bordeaux (domingo), não para o Dortmund", disse Tuchel, que já foi treinador do Dortmund.

"Eles disputaram sete jogos a menos que nós, tiveram mais recuperação que nós... Estou satisfeito com os três atrás, os dois no meio", continuou ele.

Tuchel também valorizou o desempenho de Neymar em entrevista à Sky Germany. "Ney não jogava há duas semanas, perdeu quatro ou cinco jogos, mas ele é muito importante para Kylian (Mbappé), há uma simbiose entre os dois".

O brasileiro, que desfalcou o time devido a uma lesão na costela, disse não ter gostado de ser poupado antes de jogar contra o Dortmund. "Infelizmente não foi minha escolha, foi a escolha do clube, dos médicos, foram eles que tomaram essa decisão, da qual eu não gostei", disse o atacante brasileiro, ao microfone da RMC Sport, emissora da Liga dos Campeões.

"Tivemos muitas discussões sobre isso porque eu queria jogar, me senti bem, mas o clube estava com medo e fui eu quem acabou sofrendo", acrescentou Neymar.

Outro brasileiro, Marquinhos, lamentou que seu time tenha perdido "muitas bolas".

"Eles tentavam contra-atacar no menor erro que cometíamos", explicou.

"Vamos trabalhar para o jogo de volta. Foi importante termos marcado um gol. Temos que garantir uma boa vitória em casa, sermos agressivos, sólidos. É importante não sofrer gols em casa", afirmou o meia defensivo sobre o confronto de volta, no dia 11 de março, em Paris.

Favre e Haaland querem mais

Já o técnico suíço do Borussia Dortmund, Lucien Favre, vibrou com a vitória de seu time, mas alertou que "no jogo de volta teremos que jogar ainda melhor", em declarações ao canal francês RMC Sport.

"Buscamos a meta adversária o tempo todo. Em cada jogo criamos chances de marcar, mas também precisamos defender bem", disse Favre, que não quis destacar nenhum jogador em particular, apesar dos dois gols marcados pelo norueguês Erling Haaland, de 19 anos.

"É difícil destacar alguém, apenas um. Nós defendemos como equipe. Na volta, teremos que jogar como hoje e até melhor".

Haaland, que alcançou 11 gols em 7 jogos disputados com o Dortmund, clube ao qual chegou em 1º de janeiro, disse: "Estou feliz (pelo jogo), mas acho que ainda posso fazer melhor".

"Tenho que jogar melhor neste nível, tenho que trabalhar duro para melhorar", acrescentou o jovem norueguês, que se tornou o primeiro jogador da história da Liga dos Campeões a jogar e marcar com a camisa de dois clubes diferentes na mesma temporada, tendo marcado oito gols na primeira fase com o austríaco Red Bull Salzburg.

Erling Haaland, apesar da vitória, preferiu se mostrar cauteloso e alertou que o mata-mata ainda não está decidido: "O resultado é um pouco perigoso, já que o PSG é um time muito forte e ainda pode se classificar no jogo de volta".