PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Príncipe Ali apela ao TAS para pedir adiamento das eleições na Fifa

23/02/2016 07h49

Paris, 23 Fev 2016 (AFP) - O príncipe jordaniano Ali bin al Hussein, um dos cinco candidatos à presidência da Fifa, apelou ao Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) para pedir o adiamento das eleições previstas para sexta-feira, anunciaram seus advogados franceses à AFP.

O recurso foi motivado pelo fato de que "a Fifa se opôs à petição de procedimento acelerado" do príncipe Ali para a instalação de cabines de votação transparentes, afirma um comunicado divulgado pelos advogados parisienses Francis Szpiner e Renaud Semerdjian.

De acordo com os advogados, a Fifa se opôs ao procedimento acelerado "para que estas questões não possam ser discutidas antes de 26 de fevereiro", data prevista para a votação.

O candidato jordaniano havia solicitado na segunda-feira instalação das cabines transparentes ao TAS, a principal jurisdição desportiva, com sede na cidade suíça de Lausanne.

"Ao invés de aceitar a proposta do príncipe Ali de disponibilizar cabines transparentes, constatamos que a Fifa não faz mais que um simples pedidos aos eleitores para que 'deixem (os telefones celulares) no momento em que vão votar", denunciaram os advogados.

"Esta atitude é incompreensível, exceto se desejam obstinar-se em não garantir a transparência das operações de votação e a sinceridade do escrutínio", acrescentaram.

Nas eleições de sexta-feira, as 209 federações nacionais que integram a Fifa devem escolher o sucessor do suíço Joseph Blatter.

Abalada por um grande escândalo de corrupção desde maio do ano passado, a Fifa escolherá seu novo presidente entre cinco candidatos: o príncipe Ali, o suíço-italiano Gianni Infantino (secretário-geral da Uefa), o xeque bareinita Salman Bin Ebrahim Al Khalifa (presidente da Confederação Asiática de Futebol), o empresário sul-africano e militante antiapartheid Tokyo Sexwale e o francês Jérôme Champagne (ex-secretário-geral adjunto da Fifa).

Esporte