PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

'Perdi potência', 'não acho justo' e 'tira o pé': frases do GP da Espanha

A largada do GP da Espanha, com Charles Leclerc, da Ferrari, segurando a primeira posição  - Mark Thompson/Getty Images/Red Bull
A largada do GP da Espanha, com Charles Leclerc, da Ferrari, segurando a primeira posição Imagem: Mark Thompson/Getty Images/Red Bull

Do UOL, em São Paulo

23/05/2022 04h00

O GP da Espanha, neste domingo (22), ficou marcado por reviravoltas, um forte calor e, sobretudo pelo abandono de Charles Leclerc, por causa de um problema na Ferrari, o que abriu espaço para a vitória de Max Verstappen, da Red Bull.

Pole position, o monegasco liderou até a 27ª volta, quando perdeu potência no motor e foi obrigado a abandonar a prova. De quebra, ele estacionou em 104 pontos e perdeu a liderança para o piloto holandês, que chegou a 110.

Verstappen também teve problemas, rodou na nona volta por causa do forte vento, perdeu duas posições, voltando em quarto, e ainda voltou a ter problemas na asa móvel de sua Red Bull, que não abriu algumas vezes.

O UOL destaca algumas frases que marcaram o GP da Espanha:

Abandono de Leclerc

Líder do campeonato até então e dono de um ótimo fim de semana, no qual conquistou a pole, Charles Leclerc liderava o GP tranquilamente. Mas um problema no motor fez sua Ferrari perder potência e o obrigou a abandonar a prova. Pelo rádio, ele pareceu incrédulo.

Não, não, não. O que aconteceu? Perdi potência."

Frustrado, Leclerc desabafou após a corrida e a perda da liderança do Mundial. "Vamos analisar esta questão e não podemos nos dar ao luxo de fazer isso muitas vezes durante a temporada, então precisamos encontrar o problema".

Bronca de Pérez

A saída de Leclerc abriu espaço para a Red Bull dominar o GP. A escuderia fez dobradinha, com Sergio Pérez, que terminou em segundo depois de partir da quinta posição no grid, em uma atuação muito combativa do mexicano.

Ele chegou a pedir preferência à Red Bull, quando Verstappen teve problemas para abrir a asa móvel e não conseguia ultrapassar George Russell, da Mercedes. Pérez, porém, não foi atendido e só pode brigar com o piloto da Mercedes quando seu companheiro de equipe parou nos boxes.

Já na parte final da corrida, o mexicano não gostou muito das ordens da equipe para abrir espaço para Verstappen assegurar a liderança. Pelo rádio, ele não escondeu seu descontentamento.

Não acho justo, mas ok".

Ao final da corrida, Pérez expôs novamente sua insatisfação, ainda pelo rádio, ao ser parabenizado pela equipe.

"Estou feliz pelo time, mas vamos conversar depois."

Problemas de Verstappen

Verstappen venceu, mas não foi fácil. É verdade que o abandono de Leclerc facilitou as coisas, mas, antes disso, o holandês teve que lidar com seus próprios problemas.

Na nona volta, ele rodou na pista, indo passear pela brita, no mesmo ponto em que Sainz já havia tido problema quatro voltas antes. Na volta, o holandês perdeu duas posições.

"Está ventando muito", explicou-lhe sua equipe pelo rádio.

O holandês ainda voltou a ter problema com a asa móvel, que insistiu em não querer abrir e prejudicou ultrapassagens, sobretudo nas minibatalhas pela segunda posição que protagonizou com George Russel, da Mercedes. O holandês foi orientado a apertar o dispositivo em um ponto diferente. "Aperta o DRS depois da zebra", ouviu pelo rádio.

Na entrevista após a prova, Verstappen resumiu o GP da Espanha.

Eu tive a escapada. Do nada surgiu um vento, perdi a traseira e escapei. Depois estava preso em um trem e tentei passar, mas meu DRS não funcionou sempre. Então tornou tudo muito difícil, mas conseguimos usar uma estratégia para fazermos a nossa corrida e eventualmente vencer. Foi um começo difícil, mas um bom fim".

Quase desistência de Hamilton

Largando em sexto e terminado em quinto, Lewis Hamilton, da Mercedes, foi eleito o piloto do dia no GP da Espanha. Ele fez uma corrida espetacular depois de parar no fim do pelotão ainda na primeira volta, ao ser tocado por Kevin Magnussen, da Haas, e precisar parar nos boxes para trocar o pneu dianteiro esquerdo. Quando estava em 19º, o heptacampeão questionou a Mercedes sobre abandonar a prova para poupar o motor.

Fui tocado. Ele subiu em cima de mim. Poderia guardar esse motor para o resto do campeonato."

No entanto, não foi autorizado, e o engenheiro respondeu que ele ainda ainda conseguiria brigar por um oitavo lugar. Hamilton fez melhor e terminou a prova em quinto.

O britânico chegou a estar na quarta posição, após ultrapassar Carlos Sainz e foi parabenizado pelo rádio.

Boa volta, boa volta. Isso é P4, mano. Continue fazendo isso."

"É difícil quando você tem de decidir se vale continuar. Do ponto de vista de um piloto, você pensa: 'isso não pode ser possível, estou 50 segundos atrás dos líderes'. Mas nunca vamos desistir de qualquer maneira. No final, o ritmo da corrida foi regular. Ele [Hamilton] teria corrido pela vitória", disse Toto Wolff, chefe da Mercedes após a prova.

O britânico só não terminou a prova em quarto por causa de um vazamento de água, que o obrigou a desacelerar, para a ultrapassagem de Carlos Sainz, da Ferrari, que ficou em quarto.

"Vimos isso [o vazamento de água] crescendo durante a corrida e não estava claro se iríamos terminar. No final, [a água] estava literalmente ultrapassando a linha. Não tenho certeza se danificaria o motor".

A orientação de tirar o pé também serviu para George Russel, que ouviu, pelo rádio, depois de brigar com Sergio Pérez pela segunda posição, a seguinte ordem:

Tira o pé. Você pode até perder posição, mas pode acabar sem combustível."

Russel terminou o GP da Espanha na terceira posição. A Fórmula 1 volta no próximo fim de semana, com o Grande Prêmio de Mônaco.

Veja fotos do GP da Espanha

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi informado no texto, Max Verstappen rodou na 9ª volta do GP da Espanha, e não na primeira. O erro foi corrigido.

Fórmula 1