PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

Fórmula 1 pode não ter corridas sprint neste ano, diz McLaren

Corridas sprint estrearam na F1 no ano passado, mas podem não continuar neste ano - REUTERS/Hamad I Mohammed
Corridas sprint estrearam na F1 no ano passado, mas podem não continuar neste ano Imagem: REUTERS/Hamad I Mohammed

Do UOL, em São Paulo

19/01/2022 15h03

As corridas sprint que foram disputadas pela primeira vez na Fórmula 1 no ano passado podem não acontecer neste ano. Segundo Zak Brown, chefe da McLaren, algumas equipes têm feito jogo duro na negociação com a categoria e os "mini GPs" estão em xeque.

A expectativa da F1 era não apenas manter as corridas sprint, mas dobrar o número delas. As três em 2021 seriam ampliadas para seis em 2022, e a categoria divulgou até em quais finais de semana pretendia incluir as sprint, mas a situação parece ter mudado. "A F1 talvez não encontre uma saída. Seria uma pena", afirmou Zak Brown em entrevista à BBC.

No passado a categoria pagou uma quantia extra às dez equipes do grid para cobrir os custos que as três edições de sprint lhes trouxeram. Após o sucesso do formato, que teria feito audiência e fluxo comercial aumentarem nos finais de semana, alguns times estariam pressionando a F1 para aumentar o teto orçamentário. O teto neste ano está estipulado em US$ 140 milhões (ou R$ 773 milhões).

Em 2021, houve corridas sprint em Silverstone (Reino Unido), Monza (Itália) e também no Autódromo de Interlagos, que foi o único mantido na lista para este ano (Bahrein, Emília-Romanha, Canadá, Áustria e Holanda haviam sido incluídas pela F1).

Fórmula 1