PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

Fórmula 1: Hamilton vence no Qatar e acirra briga por título com Verstappen

Do UOL, em São Paulo

21/11/2021 12h28Atualizada em 21/11/2021 15h58

O GP do Qatar de Fórmula 1, realizado na manhã de hoje no circuito de Losail, teve uma vitória de "ponta a ponta" de Lewis Hamilton (Mercedes), que diminuiu a diferença de pontos em relação a Max Verstappen (Red Bull) na tabela.

Agora, o britânico soma 343,5 pontos contra 351,5 do holandês, que terminou a corrida em 2° e anotou a volta mais rápida da prova. Fernando Alonso (Alpine), depois de sete anos, subiu ao pódio após cruzar a linha de chegada na 3ª posição.

A corrida ficou marcada por uma série de pilotos com pneus dianteiros furados: Valtteri Bottas (Mercedes), George Russell (Williams) e Nicholas Latifi (Williams) foram as vítimas das "zebras" da pista.

O grid foi um pouco diferente em relação ao treino de ontem. Isso porque Verstappen e Bottas, que fizeram respectivamente o 2° e o 3° melhor tempo na classificação, foram punidos por ignorarem bandeiras amarelas duplas e simples - o holandês largou em 7°, e o finlandês, por sua vez, em 6°.

Largada limpa

Hamilton, único entre os quatro primeiros que optou por iniciar a corrida de pneus médios, largou bem e não sofreu qualquer tipo de incômodo.

Já Alonso, que saiu em 3°, foi para cima de Pierre Gasly (AlphaTauri) já no fim da reta e tomou a posição do francês.

Enquanto isso, Verstappen recuperou três posições ainda nas primeiras curvas e se colocou em 4°, à frente de Lando Norris (McLaren) e Esteban Ocon (Alpine) - o holandês ainda teve as "portas fechadas" por Alonso e, por pouco, não foi ao top 3.

Largada do GP do Qatar teve Hamilton sem ser incomodado e Verstappen atacando por dentro os primeiros colocados - Thaier Al-Sudani/Reuters - Thaier Al-Sudani/Reuters
Largada do GP do Qatar teve Hamilton sem ser incomodado e Verstappen atacando por dentro os primeiros colocados
Imagem: Thaier Al-Sudani/Reuters

Acorda, Bottas!

Por outro lado, Bottas perdeu cinco posições nas primeiras voltas, saindo de 6° para 11° - atrás, inclusive, de Sergio Pérez (Red Bull).

O finlandês, aliás, tomou uma bronca pouco depois de Toto Wolff, chefão da Mercedes: "Vamos, Valtteri, pegue esses carros", disse o diretor via rádio ao piloto.

Coincidência ou não, ele passou a melhorar o seu desempenho depois do "recado".

Super Max (e super Pérez!)

Arrojado, Verstappen "tirou o atraso" de maneira completa em relação ao treino e ultrapassou, respectivamente, Gasly e Alonso com certa facilidade entre as voltas 4 e 5.

Diante dos ataques, o jovem da Red Bull assumiu a 2ª posição e passou a ficar cerca de quatro segundos atrás do líder Hamilton.

Enquanto isso, o parceiro do holandês também fazia bonito. Pérez, que ficou em 8° ao ganhar três posições na largada, passou Sainz, Ocon e Gasly em pouco tempo. O mexicano assumiu a 5ª posição ainda na volta 14.

Líderes com mesma estratégia

Tanto Hamilton quanto Verstappen resolveram fazer o pit stop cedo e seguiram a mesma estratégia: trocar os pneus médios pelos duros.

O primeiro foi o piloto da Red Bull, que fez uma parada de 2,2 segundos na volta 17. Logo depois, foi a vez do britânico, que teve tempo similar nos boxes.

O mesmo se repetiu entre as voltas 42 e 43. Os dois voltaram a usar pneus médios para a parte final da prova - o líder Hamilton, nesta altura, mantinha uma vantagem de cerca de dez segundos à frente do rival.

Não é dia de Bottas

Se a estratégia da Mercedes com Hamilton foi baseada na segurança, o mesmo não pode se dizer sobre Bottas. A equipe ousou e optou por não trazer o finlandês para os boxes até a volta 34, apostando em uma parada única pouco depois.

O resultado foi um pneu dianteiro furado pelo desgaste ainda na metade do circuito. Com graves problemas, o piloto se "arrastou" até os boxes e colocou pneus duros, voltando na 13ª colocação.

Já na parte final da prova, o carro do finlandês apresentou novos problemas, e ele precisou abandonar a prova.

Safety car virtual e Verstappen com ponto extra

O incidente com pneus não se deu apenas com Bottas. Faltando duas voltas para o fim da corrida, Russell e Latifi também sofreram com o problema.

O caso do canadense foi pior, já que ele não conseguiu conduzir o carro para os boxes e, com isso, o safety car virtual foi ativado.

Bom para Verstappen, que manteve a melhor volta da prova e garantiu um ponto extra. Já Hamilton, vivo na briga pelo título, não sofreu qualquer tipo de perigo e venceu de "ponta a ponta".

Veja o resultado final

  1. Lewis Hamilton (Mercedes)
  2. Max Verstappen (Red Bull)
  3. Fernando Alonso (Alpine)
  4. Sergio Pérez (Red Bull)
  5. Esteban Ocon (Alpine)
  6. Lance Stroll (Aston Martin)
  7. Carlos Sainz (Ferrari)
  8. Charles Leclerc (Ferrari)
  9. Lando Norris (McLaren)
  10. Sebastian Vettel (Aston Martin)
  11. Pierre Gasly (AlphaTauri)
  12. Daniel Ricciardo (McLaren)
  13. Yuki Tsunoda (AlphaTauri)
  14. Kimi Raikkonen (Alfa Romeo)
  15. Antonio Giovinazzi (Alfa Romeo)
  16. Mick Schumacher (Haas)
  17. George Russell (Williams)
  18. Nikita Mazepin (Haas)
  19. Nicholas Latifi (Williams)
  20. Valtteri Bottas (Mercedes)

Fórmula 1