PUBLICIDADE
Topo

Vôlei

Jogadora de vôlei que morreu aos 23 anos criou perfil para ajudar time

Núbia Rebello em ação pelo time feminino de vôlei de Cravinhos - Arquivo pessoal
Núbia Rebello em ação pelo time feminino de vôlei de Cravinhos Imagem: Arquivo pessoal

Beatriz Cesarini

Do UOL, em São Paulo

16/11/2021 16h07

Jogadora de vôlei que morreu aos 23 anos após colidir seu carro com um cavalo na Rodovia Anhanguera, Núbia Rebello sonhava em se tornar atleta profissional. A jovem do time de Cravinhos conciliava os treinos com a faculdade de odontologia e ainda se propôs a criar e cuidar de um perfil da equipe nas redes sociais.

"Durante a pandemia, a Núbia chegou e me falou sobre a ideia de criarmos uma página no Instagram: 'Tio, o que acha de criar um perfil para mostrar nossos treinos, nosso dia a dia?'. Eu topei. Ela começou a fazer de uma forma maravilhosa, chegamos a mil seguidores muito rápido... Aquilo bombou muito", contou o técnico Gullit Pádua.

"Era uma página muito pequena... Meus amigos que jogavam vôlei comigo também começaram a seguir e deu super certo. Ela ficou muito feliz, porque conseguimos mostrar nosso trabalho", acrescentou o treinador.

Núbia era muito querida pelas colegas de elenco e criou um cronograma com elas para a realização de publicações nas redes sociais. Conhecida por ser animada, ela também comandava as coreografias que ela e as meninas faziam nos posts.

Ainda segundo Gullit, Núbia sempre teve vontade de jogar vôlei e começou a treinar com ele, na equipe de Cravinhos, aos 16 anos. A mãe Andreia já integrava a equipe de Masters e a jovem, portanto, sempre teve o apoio de seus familiares para praticar esporte.

"Ela queria muito jogar, mas não sabia. A Núbia, então, começou comigo quando estava com 16 para 17 anos. Desde então, ela entrou numa evolução constante. O grande sonho dela era ser jogadora profissional. Nosso time é amador. E quando vi todos os portais chamando ela de 'jogadora de vôlei', olhei para o céu e falei para ela: 'você era realmente uma jogadora, Núbia'", contou Pádua.

O último treino de Núbia com a equipe de Cravinhos foi no sábado (13). Emocionado, Gullit relembrou do dia: "Ela treinou muito bem. O grande prazer dela era atacar forte. Ela atacou tantas bolas fortes, fez muitos pontos. Ela foi muito bem, até na paralela que ela tinha mais dificuldade. No fim, estava carregando o carrinho de bolas e falei: 'Excelente treino, filha'. Ela olhou para mim, sorriu e disse: 'Obrigada, tio'".

Família e amigos de Cravinhos tentam seguir em frente após a tragédia. Gullit ainda contou que a mãe de Núbia pediu para que a equipe não parasse as atividades, porque essa seria a vontade da jovem.

"Temos jogos sábado e ela falou: 'Não parem'. Nós temos treino amanhã cedo e tenho certeza que o time estará muito unido. O sonho dela virou para o universo. O brilho que a Núbia colocou no trabalho dela como jogadora e o quanto ela se dedicou ao nosso time foi demais. Ela deixou um legado que mostrou a importância e o quanto o esporte pode ser transformador. Ela era fantástica", encerrou o treinador.

Núbia deixa os pais Andréia e Cristiano, a irmã Inara, além de outros familiares e os amigos da equipe de Cravinhos.

Vôlei