PUBLICIDADE
Topo

Vôlei

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Trajano: Tenho medo que punição a homofobia de Mauricio seja um teatrinho

Do UOL, em São Paulo

27/10/2021 12h19

José Trajano considera que repercussão gerada pelo caso de Mauricio Souza é importante em relação ao debate na luta contra a homofobia, mas tem o receio de que o caso possa ser um 'teatrinho' envolvendo o Minas Tênis Clube, seus patrocinadores e o atleta.

No UOL News Esporte, Trajano diz que é preciso seguir acompanhando o caso e apenas lamenta que tenha havido pouca adesão dos atletas em geral, apesar de alguns posicionamentos por meio das redes sociais.

"Acho que é hora de pressionar, se esses patrocinadores estão agindo de uma forma contundente, exigindo uma retratação de verdade, ou até tirando o jogador, não multando, tirando o jogador de cena, a gente tem que ficar em cima", diz Trajano.

"Eu acho que não é uma vitória ainda, mas só o fato de estarmos conversando sobre isso e tratando desse assunto como assunto mais importante, já é uma pequena vitória. Me espanta muito a pouca adesão dos atletas. É uma pouca adesão. Lembrando muito bem, como o Douglas falou, homofobia é crime", completa.

O jornalista, porém, se diz pessimista em relação ao desfecho do caso, de que a reação do clube e dos patrocinadores não vá além.

"Eu acho que essa história vai acabar mal para nós que não somos homofóbicos, porque eu estou sentindo que essa explicação armada no Twitter do Maurício é para inglês ver e isso me deixa muito indignado", diz Trajano.

"Diante deste quadro perverso que estamos vendo, eu tenho medo que seja um teatrinho envolvendo o Minas, envolvendo o Mauricio e envolvendo até os patrocinadores e fico ao lado do Douglas, que tem essa ironia muito legal, se manifestando em relação ao caso", conclui.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Vôlei