PUBLICIDADE
Topo

Vôlei

Post homofóbico de M. Souza foi da 'troca de farpas' a afastamento; entenda

Do UOL, em São Paulo

27/10/2021 04h00Atualizada em 29/10/2021 15h03

Uma postagem com fala homofóbica feita pelo jogador de vôlei Maurício Souza gerou uma série de posicionamentos contra a homofobia e culminou com a demissão do jogador do Minas Tênis Clube, na quarta-feira (27). Tudo começou após uma publicação sobre a orientação sexual do atual Superman, Joe Kent. O post gerou uma troca de farpas com Douglas Souza, companheiro de Maurício na seleção brasileira.

A intensidade da discussão aumentou quando patrocinadores pressionaram por uma atitude do clube de vôlei em relação ao atleta e jogadores e jogadoras das seleções masculina e feminina se posicionaram contra a homofobia. Pressionado, o Minas Tênis Clube exigiu uma retratação feita por Maurício, o que novamente gerou críticas de Douglas.

A retratação de Maurício Souza foi feita apenas no Twitter, onde tinha menos de 50 seguidores no momento da postagem. Enquanto isso, o post com a fala homofóbica foi feito — e segue publicado — no Instagram, onde ele tinha mais de 300 mil seguidores. Com a repercussão do caso e da sua demissão, Maurício Souza já superou 1 milhão de seguidores na rede social.

Entenda o caso

Maurício Souza criticou a revelação de que o atual Superman, Joe Kent, é bissexual: "Ah, é só um desenho, não é nada demais. Vai nessa que vai ver onde vamos parar". Em 'resposta', Douglas Souza, companheiro de Maurício na seleção brasileira, rebateu a publicação.

"Engraçado que eu não 'virei heterossexual' vendo os super-heróis homens beijando mulheres. Se uma imagem como essa te preocupa, sinto muito, mas eu tenho uma novidade para sua heterossexualidade frágil. Vai ter beijo sim. Obrigado DC por pensar em representar todos nós e não só uma parte."

A 'tréplica' de Maurício veio alguns minutos depois: "Para cima de mim não! Aqui é frágil igual esticador de canto de cerca!", escreveu ele em uma foto com a seguinte frase: "Hoje em dia o certo é errado e o errado é certo. Não se depender de mim. Se tem que escolher um lado, eu fico do lado que eu acho certo. Fico com minhas crenças, valores e ideais."

Atletas se posicionam

A situação fez com que atletas tomassem uma posição sobre o caso. Teve quem foi a favor de Maurício, como Sidão e Wallace, que deram seus respectivos pontos de vista concordando com a reprovação do companheiro.

E teve quem parabenizou Douglas pela iniciativa. Nomes como Sheilla Castro, Fabi Alvim, Carol Gattaz, Erika Coimbra e Gabi Guimarães comentaram a foto e apoiaram a reflexão feita pelo ponteiro.

Comunicado do Minas

O Minas Tênis Clube emitiu um comunicado oficial para se posicionar sobre a situação. Em nota, o time de vôlei reforçou que os profissionais federados à agremiação têm liberdade para se expressar nas redes sociais, mas não aceita manifestações que ferem a lei.

Por fim, o clube enfatizou que as opiniões de Maurício não condizem com as crenças da instituição e que estavam em contato direto com o jogador para o orientar sobre o tema.

Patrocinadores pressionam

No dia seguinte ao comunicado do Minas Tênis Clube, dois de seus grandes patrocinadores entraram na briga. A Fiat e a Gerdau repudiaram as falas homofóbicas e deram um curto prazo para que o clube se posicionasse sobre a situação. Veja abaixo:

"Em relação às recentes declarações do jogador Maurício Souza, da equipe de vôlei Fiat/Minas/Gerdau, a Fiat declara repúdio a toda e qualquer expressão de cunho homofóbico, considerando inaceitáveis as manifestações movidas por preconceito, ímpeto desrespeitoso ou excludente (...). A Fiat repudia qualquer tipo de declaração que promova ódio, exclusão ou diminuição da pessoa humana e espera que a instituição tome as medidas cabíveis e necessárias no espaço mais curto de tempo possível", dizia a nota da Fiat.

"A Gerdau repudia qualquer tipo de manifestação de cunho preceituoso ou homofóbico. Sobre as declarações recentes do atleta Maurício Souza, jogador do Fiat/Gerdau/Minas, a empresa já pediu a posição oficial do clube sobre as tratativas necessárias ao caso para adotar as medidas cabíveis, o mais breve possível", dizia a outra patrocinadora.

Douglas volta a falar e recebe apoio de atletas

Pouco depois das notas de repúdio, Douglas parabenizou a atitude da Fiat pelo posicionamento e voltou a enfatizar que homofobia não é liberdade de expressão.

"Meu muito obrigado a Fiat não só por ter se posicionado, mas também por cobrar a atitude do clube. Isso é muito importante para a gente. Por mais marcas e empresas desse jeito. Não dá em pleno 2021 as pessoas acharem que liberdade de expressão é ser homofóbico. A gente espera atitudes e estamos no aguardo. Homofobia é crime, não é opinião", disse ele.

Em resposta, diversos nomes no vôlei fizeram publicações em apoio ao jogador e repudiaram a homofobia. Carol Gattaz, Fabi Alvim, Sheilla Castro e Maique Reis usaram de seus perfis para se posicionar.

Maurício se retrata após ser afastado pelo Minas

Diante de toda a repercussão, o Minas voltou a se posicionar e decidiu afastar Maurício por tempo indeterminado. Além disso, o atleta foi multado e orientado a fazer uma retratação pública imediata.

Em seu perfil oficial no Twitter, o jogador disse que tem refletido muito sobre o tema e escreveu, sem dizer o porquê. Além disso, a retratação de Maurício Souza foi feita apenas no Twitter, onde tinha menos de 50 seguidores no momento da postagem. Enquanto isso, o post com a fala homofóbica foi feito — e segue publicada — no Instagram, onde ele tem mais de 300 mil seguidores.

"Pessoal, após conversar com meus familiares, colegas e diretoria do Clube, pensei muito sobre as últimas publicações que eu fiz no meu perfil. Estou vindo a público pedir desculpas a todos a quem desrespeitei ou ofendi, esta não foi minha intenção. Tenho refletido muito e reitero minhas desculpas pelo posicionamento."

Douglas critica

Momentos após a decisão do Minas Tênis Clube e a retratação de Maurício, Douglas Souza voltou às redes sociais e lamentou a punição que o atleta recebeu. Segundo ele, 'multa e retratação' não são suficientes para tratar das falas criminosas.

"O famoso não vai dar em nada né. Toda vez a mesma coisa, cansado disso de sempre ter falas criminosas e no máximo que rola é uma "multa" e uma retratação nas redes sociais. Até quando?", disse ele, que completou:

"Todos os dias, todas as horas um dos nossos morrem. E o que temos? Uma retratação."

Minas Tênis Clube demite jogador, que culpa "turma da lacração"

Depois de defender o direito de manifestação do jogador, dando a ele uma oportunidade de se desculpar, o Minas Tênis Clube decidiu rescindir o contrato de Maurício Souza na quarta-feira (27). Foi a quarta mudança de postura da equipe em menos de 48 horas. Após a demissão, Maurício continuou a defender seu posicionamento e intensificou o número de publicações nas redes sociais. Chegou até mesmo a defender a diretoria do Minas, ao afirmar que a culpa por ter sido desligado foi "da turma da lacração", e não do clube.

Vôlei