PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Abilio Diniz faz boxe até hoje e revela passado de brigas: 'Era agressivo'

Empresário revelou que bullying na infância o deixou "agressivo" na vida adulta - Reprodução/YouTube
Empresário revelou que bullying na infância o deixou "agressivo" na vida adulta Imagem: Reprodução/YouTube

Do UOL, em São Paulo

24/09/2021 10h51

Firme em suas atividades físicas desde a adolescência, o empresário Abilio Diniz, hoje com 84 anos, revelou que o bullying sofrido na infância - ocorrido justamente por ser "gordinho e baixinho" - desencadeou uma agressividade que acabava em brigas de rua.

Em entrevista ao podcast "Flow" concedida ontem, o paulistano afirmou que passou a praticar boxe e outros tipos de luta para se defender dos colegas durante partidas de futebol na várzea.

A medida teve influência também pelo comportamento de seu pai, que proibia os filhos de chorar em público.

"Meu pai dizia para mim que homem não chora. Eram outros tempos. Eu não podia chorar, me queixar... apanhava para cacete. Eu passava de ônibus na cidade e passava sempre em frente à academia. Vi aquele negócio de luta e decidi entrar. Disse que queria fazer tudo", iniciou ele ao falar sobre a mudança de vida.

"Busquei com meu pai um dinheirinho e comecei a treinar lá. Treinei boxe, competi bastante, até hoje treino boxe. E aí voltei para a várzea. De apanhar, passei a bater", prosseguiu o empresário.

Ele, no entanto, revelou o lado B da mudança. "É um produto bom, me introduziu ao esporte, sempre fui apaixonado por esporte, mas me deu uma agressividade muito grande. A terapia levou muito tempo para consertar. Era agressivo em tudo", falou.

"Nunca fui um cara do mal, tenho certeza, mas era agressivo. Brigava na rua a torto e a direito. Eu briguei a última vez na rua um pouco antes de começar a namorar com a Geyze, minha mulher. Foi ela quem me proibiu. E eu a conheci quando tinha 62 anos", revelou Abilio, que hoje se diz mais tranquilo - mas não menos atlético.

O empresário revelou ainda que, hoje, pratica atividades físicas diariamente. "Eu ainda me exercito duas horas por dia, porque eu gosto, porque acho que é importante", finalizou.

Esporte