PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Medina pode superar Kelly Slater e se tornar o maior surfista da história?

Gabriel Medina e Kelly Slater durante o Surf Ranch Pro de 2018 - Kenneth Morris/World Surf League via Getty Images
Gabriel Medina e Kelly Slater durante o Surf Ranch Pro de 2018 Imagem: Kenneth Morris/World Surf League via Getty Images

Marcello De Vico

Colaboração para o UOL, em Santos (SP)

16/09/2021 04h00

O tricampeonato de Gabriel Medina, conquistado anteontem (14) em Trestles, voltou a levantar uma questão recorrente no mundo do surfe. Será que o surfista brasileiro pode igualar ou superar Kelly Slater, 11 vezes campeão mundial, e virar o maior surfista da história? É claro que a pergunta é uma daquelas que mereceria uma roda de bar para ser respondida, mas o UOL Esporte resolveu entrar na onda e checar qual a opinião de especialistas.

A reportagem foi atrás de lendas do surfe brasileiro e conversou sobre o tema com os seguintes surfistas: Victor Ribas, brasileiro mais bem colocado no Mundial de Surfe até o título de Gabriel Medina, em 2014, com o terceiro lugar no WCT de 1999; Teco Padaratz, bicampeão do WQS e primeiro brasileiro a vencer Kelly Slater numa final em etapas do Circuito Mundial; e Carlos Burle, maior nome do big surfe brasileiro e bicampeão mundial de ondas grandes.

"Se a pergunta fosse se ele tem surfe para fazer isso, com certeza tem. Ele é tão inovador ou até mais do que o Kelly nessa época dele. Ele talvez esteja quebrando paradigmas ainda maiores do que o Kelly quebrou na época", afirmou Teco Padaratz.

"Ele pode alcançar [o Kelly]. Ele tem que emendar três títulos agora, até os 30, para chegar aos seis títulos e falar: 'Tenho dez anos para fazer mais cinco'. É difícil, mas dá, estamos falando do Gabriel Medina. Ele é muito bom", opinou a lenda do surfe.

Com o terceiro troféu, Gabriel Medina igualou o australiano Mick Fanning, campeão em 2007, 2009 e 2013, o havaiano Andy Irons, vencedor em 2002, 2003 e 2004, e o norte-americano Tom Curren, que levou a melhor em 1985/86, 1986/87 e 1990, e só ficou atrás do australiano Mark Richards, que faturou o tetra com as vitórias em 1979, 1980, 1981 e 1982, e do próprio Slater.

Veja as opiniões dos surfistas:

TECO PADARATZ

Teco Padaratz, surfista brasileiro - WSL / Kelly Cestari - WSL / Kelly Cestari
Imagem: WSL / Kelly Cestari

Essa é a pergunta que todo mundo faz para quem chega a três títulos. Fizeram isso com o Mick Fanning... O que a gente tem de considerar é quanto o cara tem de disposição física e mental para continuar no Tour por tanto tempo para chegar a uma marca dessa. O Kelly é uma pessoa sobrenatural, está há mais de três décadas entre os dez primeiros do mundo por uma questão muito particular dele, de ser um cara muito dedicado à saúde física e mental. Ele teve uma vida especificamente direcionada para isso, então, não é uma questão de se ele tem surfe o suficiente para ser tantas vezes campeão quanto o Kelly, porque essa é a pergunta que está na cabeça de todo mundo. Surfe ele tem, lógico que tem... Mas são tantos fatores que você começa a relevar a própria fonte da pergunta.

O sobrenatural do Kelly é justamente essa dedicação de vida a um propósito. A gente quase não encontra quase ninguém, em nenhum esporte, que tenha um propósito de vida tão dedicado tão exclusivamente dedicado à competição. Então a comparação é um pouco injusta nesse ponto, porque cada um tem uma vida diferente... O Kelly teve a vida dele, com as coisas dele, e todo mundo tem vidas diferentes. Mas se a pergunta fosse se ele tem surfe para fazer isso, tem, porque ele é tão inovador ou até mais do que o Kelly nessa época dele. Ele talvez esteja quebrando paradigmas ainda maiores do que o Kelly quebrou na época que foi tricampeão do mundo, pela inovação do surfe. Enfim, é uma pergunta difícil de responder diretamente. Acho que ninguém vai poder responder essa pergunta precisamente.

CARLOS BURLE

Surfista Carlos Burle - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Ele pode alcançar. Inclusive, nesse novo formato, é difícil você ganhar do Medina. Eu vejo muito mais como uma motivação, porque ele é competidor, já empatou com o Mick Fanning e o Tom Curren... Ele tem que emendar três títulos agora, até os 30, para chegar aos seis e olhar e falar: 'Tenho dez anos para fazer mais cinco'. É difícil, mas dá, estamos falando do Gabriel Medina. Ele é muito bom.

O Medina, mantendo a saúde emocional e física, tem condições de chegar lá, mas vai ralar pra caramba, pois estamos falando do maior atleta de todos os tempos da história do surfe e de um dos maiores atletas de todos os tempos de todos os esportes. Mas eu vejo isso tudo como motivação para um competidor como ele.

Eu acredito que ele não vai expressar isso [que pensa em superar Kelly Slater], mas, lá no fundo, escondido lá atrás... Parece uma utopia, que ninguém vai alcançar, então deixa ali no canto. Mas, certamente, ele tem que, até os 30 anos, ganhar pelo menos mais dois títulos. E o Medina deu uma bela tropeçada, podia ter mais dois, ou pelo menos mais um. Mas não contava com os moleques que vieram fortes para caramba.

E esse novo formato, onde tudo começa em Pipeline, acho interessante para o Medina. Ele começa forte, que é uma coisa que não acontecia antigamente... Ele começando forte e garantindo a final, ele é o melhor competidor hoje.

O Kelly teve a vida dedicada totalmente ao surfe. E ele ainda parece uma criança, com 50 anos. Ele é um monstro. Mas tudo está ligado diretamente a essa relação dele com o esporte, esse amor, essa dedicação, e tudo isso se transforma em motivação, inspiração, energia, foco, determinação, resiliência, disciplina.

VICTOR RIBAS

Surfista brasileiro Victor Ribas - ASP / Kelly Cestari - ASP / Kelly Cestari
Imagem: ASP / Kelly Cestari

É muito difícil essa resposta. Acho que o Gabriel vive um momento muito bom na carreira, mas foram épocas diferentes. O surfe está com uma evolução muito grande. Com certeza, ele é o cara a ser batido, mas se vai chegar aos 11 títulos do Slater é bem difícil de falar. Mas o futuro está aí para isso e acredito que ele vai ser [campeão] mais algumas vezes.

O surfe hoje está muito competitivo, numa evolução muito rápida. Acredito que, hoje, o Gabriel tem todas as qualidades para ser campeão várias vezes, mas tem alguns adversários e virão outros que darão muito trabalho. Foram épocas diferentes. Hoje todo mundo está bastante dedicado, ganha bem para isso, é atleta mesmo, e aquela época era diferente.

De repente, o Slater estava mais à frente de todo por conta da quantidade de coisas que ele fazia para deixar o surfe dele de alta performance. Acho que essa é a diferença. E hoje todo mundo está com os equipamentos por igual, com bastante visão, focado na parte física, mental, um monte de coisa. Início dos 90 para 2021, o esporte teve muita evolução. É difícil falar isso, se ele vai chegar no Slater ou não.

Esporte