PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Fábio Seixas: "Verstappen deu nó de estratégia na Mercedes"

Do UOL, em São Paulo

20/06/2021 13h22

Em corrida com final emocionante, Max Verstappen venceu o GP da França neste domingo (20). O piloto da Red Bull superou Lewis Hamilton na penúltima volta no circuito de Paul Ricard, comprovando que sua estratégia para a prova foi mais acertada do que a do heptacampeão mundial.

Na estreia do Fim de Papo F1, live pós-corrida do UOL Esporte - com os jornalistas Fábio Seixas e Flavio Gomes - o desempenho do líder da temporada foi elogiado pelos comentaristas, que destacaram o "banho" da Red Bull sobre a Mercedes quanto ao planejamento da corrida.

"Verstappen errou na largada e não sei se ele sentiu a pressão. O Hamilton pulou na frente e pensei que seria uma chatice, com ele na frente até o fim da corrida. Mas tivemos emoção. O Verstappen acabou dando um nó de estratégia na Mercedes. O fim da prova virou um jogo do Verstappen acelerando tudo o que podia com pneus médios que tinham onze, doze voltas, e o Hamilton com pneus duros com 20 voltas tentando levá-los até o final. Isso provocou um fina de prova tão bom", analisou Seixas.

Verstappen fez seu primeiro pit stop na 19ª volta e colocou pneus duros, voltando na terceira posição. O piloto holandês forçou o ritmo, sem tráfego à frente. Hamilton parou na volta 20 e voltou à pista atrás de Verstappen, que fez uma nova troca na volta 32. Com pneus médios, Verstappen passou a andar mais rápido do que Hamilton, que não foi mais aos boxes, e conseguiu ultrapassá-lo.

Para Gomes, o erro do piloto da Red Bull, que foi o pole position, logo após a largada, não significa que ele tenha sentido alguma pressão. "Ele errou. Não teve pressão nenhuma. Como você não vai sofrer pressão se tem no seu cangote um heptacampeão do mundo babando na gravata para passar e tentar ganhar a liderança? A partir daí, a maturidade do Verstappen aflora e teve a capacidade da Red Bull mudar a estratégia, de fazer algo diferente", comentou.

Seixas também ressaltou esta qualidade de adaptação da Red Bull. "A impressão que dá, e não é a primeira vez no ano, é que a Red Bull reage mais rápido às mudanças de situação na corrida do que a Mercedes, que chega com um plano muito fechado, pronto, e tenta mantê-lo a qualquer custo. Talvez seja até uma certa soberba depois do que ela fez nos últimos anos brilhantemente", completou.

Não perca! A próxima edição do Fim de Papo F1 será em 27 de junho, logo após o GP da Estíria.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Fórmula 1