PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Maya Gabeira culpa Burle por acidente que quase a matou; surfista responde

Maya Gabeira concedeu entrevista ao jornalista Graham Bensinger - Reprodução/YouTube
Maya Gabeira concedeu entrevista ao jornalista Graham Bensinger Imagem: Reprodução/YouTube

Marcello De Vico

Colaboração para o UOL, em Santos (SP)

02/06/2021 13h21

A surfista Maya Gabeira culpou o ex-mentor Carlos Burle pelo acidente que quase a matou em Nazaré (Portugal), em 2013. Em entrevista ao jornalista norte-americano Graham Bensinger, ela disse que foi pressionada por Burle a surfar a onda gigante na qual sofreu a queda. Maya também afirma que o surfista cometeu alguns erros durante o resgate.

Procurada pela reportagem do UOL Esporte, Maya Gabeira disse, via assessoria, que não irá mais se posicionar sobre o tema. Já Carlos Burle afirmou que as declarações de Maya "não são nada de mais" e que fazem parte do processo de cura da surfista.

O que diz Maya Gabeira

Maya perdeu a consciência após a queda em uma onda gigante na praia de Nazaré, em Portugal. Ela foi resgatada por Burle, o seu mentor na época. Os socorristas precisaram aplicar técnicas de ressuscitação cardiopulmonar para reanimá-la. Na entrevista a Bensinger, jornalista conhecido por entrevistar várias personalidades do esporte, ela contou sobre a pressão que sofreu para surfar naquele dia — veja os principais trechos no vídeo acima.

"Enquanto o Carlos estava me puxando [na motonáutica], eu disse que estava um pouco insegura e ele me pressionou, com um pouco de encorajamento, mas também com: 'Você precisa ir, tem que decidir'. Eu senti essa pressão... Eu perguntei a ele: 'Você acha que eu consigo?', e ele disse: 'Mas é claro que consegue!'", disse Maya.

Em seguida, a surfista afirma que, hoje em dia, não teria escolhido a mesma onda para surfar e diz que Carlos Burle não tinha experiência em resgates.

Acho que eu não escolheria aquela onda nos dias de hoje, teria escolhido uma onda melhor, mas a gente não tinha tanta experiência. Então ele me colocou naquela onda, e eu acabei caindo e quebrando meu tornozelo. Carlos não tinha muita experiência em resgates e nem tínhamos uma equipe de auxílio, como há nos dias de hoje. E o Carlos estava sem comunicação, tinha perdido o rádio, e nós continuamos mesmo assim... Foi um erro grave.

28.out.2013 - Maya Gabeira é resgatada após queda em onda gigante em Portugal; ela teve que ser reanimada - EFE/Jose Sena Goulao - EFE/Jose Sena Goulao
Maya Gabeira é resgatada após queda em onda gigante em Portugal; ela teve que ser reanimada
Imagem: EFE/Jose Sena Goulao

Segundo Maya, Burle fez uma "aproximação terrível" ao tentar o primeiro resgate. "Quando tomei a segunda onda na cabeça, ainda perdi meu colete salva-vidas. Aí tomei algumas ondas pesadas na cabeça e tudo ficou preto, fiquei sem ar e comecei a pensar que ia morrer... O cenário era o pior possível. Depois de mais ou menos um minuto, eu o vi vindo em minha direção. Então ele fez uma aproximação terrível achando que eu estaria bem, e hoje tenho certeza que ele aprendeu que depois de dez minutos sem ver um corpo, naquelas condições, eu não estaria bem."

"Ele se aproximou pela primeira vez e jogou o 'sled' [tipo de trenó para reboque] para eu segurar, nem me deu a mão nem nada... Eu basicamente estava apagada naquele momento, não estava vendo, estava com muitas limitações... A única sensação que ainda tinha era ouvir, pois essa é a última que você perde antes de morrer. Então ele se aproximou de novo e gritou 'Maya, segura a cordinha', e eu, mesmo inconsciente, consegui pegar a cordinha e ele me levou pra mais perto da praia. Então ele conseguiu pular na água e me carregar para fora da água. Tudo ficou preto, não sei se era o 'outro lado'...", acrescenta.

Maya Gabeira listou uma série de falhas cometidas por Burle e disse que nada teria acontecido caso o ex-mentor tivesse seguido todos os protocolos de segurança.

"A comunicação pelo rádio falhou. O segundo jet-ski de resgate falhou. Os coletes salva-vidas que usamos hoje inflam sozinhos, o que não era muito comum para os surfistas naquela época", disse, antes de ser questionada sobre o que teria acontecido caso todos esses itens tivessem funcionado: "Não teria acontecido nada".

"Para Carlos, é tudo tão simples. Não acredito que hoje ele ache que errou em algo. Acredito que ache que não cometemos nenhum erro", acrescenta.

Maya Gabeira e Carlos Burle em Nazaré em 2015 - Kirstin Scholtz/World Surf League via Getty Images - Kirstin Scholtz/World Surf League via Getty Images
Imagem: Kirstin Scholtz/World Surf League via Getty Images

"Ele estava me aposentando"

A surfista de ondas gigantes precisou passar por três cirurgias depois do acidente em Nazaré, sendo duas na coluna e uma no nariz. Na entrevista, ela conta que mal conseguia andar, e que Carlos Burle chegou a sugerir que ela se aposentasse.

"O jeito que nossa parceria terminou foi muito difícil para mim. Eu estava indo da segunda para a terceira cirurgia após o acidente, e eu precisava muito de um apoio emocional. Estava traumatizada, com muito medo, com uma dor que nunca tinha sentido na vida... E ele olhou pra mim e disse: 'Você não precisa mais fazer isso'. Eu era tão ingênua e estava tão confusa na hora que concordei [risos]. 'Você tem razão, isso é muito estressante'. Ele estava me aposentando [risos]. E eu estava concordando porque ele era meu mentor, por dez anos. Ele estava me abandonando...", completa.

O que diz Carlos Burle

Em entrevista ao UOL Esporte, Burle disse que os comentários de Maya fazem parte do processo de cura da atleta. "Honestamente, não achei nada de mais. Ela está colocando o ponto de vista dela. Olhar para trás e aprender com os erros é muito bom. Tenho muito respeito e gratidão por tudo que vivemos juntos. Se ela vê tudo isso desse jeito, que bom que ela está botando para fora, para se curar. Fico feliz que ela está bem. Que bom, parabéns! Achei supernatural", disse.

"O mais importante aqui é respeitar. Tem uma pessoa que está precisando falar algo, justificar algo, é um ser humano. Deixa ela falar o que ela quer. O que eu penso não é importante. O importante é o que eu sinto. Deixa ela fazer o que quiser. Tenho muito gratidão. Vivemos momentos incríveis. Escrevemos a história do surfe juntos. Quando a gente começou, existia um preconceito enorme em relação às mulheres pegando onda grande. E, lógico que aconteceram coisas e hoje o protocolo é outro, mas a vida é assim mesmo", acrescentou.

É importante que os seres humanos tenham gratidão por aqueles que fizeram algo quando a estrutura não era a mesma. Eu olho para os meus antepassados e vejo que eles fizeram com que meu DNA chegasse aonde está hoje. Eles deixaram um legado, assim como eu quero deixar um legado para as novas gerações. Com relação ao restante das coisas que ela fala, ela vai ver do jeito que quiser. Não sou eu que vou chegar e falar 'ah, você falou isso, falou aquilo'... A entrevista é dela, o foco é dela, deixa ela à vontade, deixa ela feliz. Ela está falando ali, mostrando quem ela é, os medos, as inseguranças... Ela está se curando. Quando a gente se expressa, a gente tem uma grande oportunidade de se curar. E é muito bom ver a Maya falando, botando as coisas para fora. Ela vai querer justificar tudo que aconteceu na vida dela. Ela tem o ponto de vista dela. Deixa ela se curar, deixa ela ser feliz.

Esporte