PUBLICIDADE
Topo

Brasileirão - 2021

Valentim diz que sabia de demissão e critica dirigente: 'Tudo tem limite'

Valentim explica demissão do Cuiabá após uma rodada do Brasileirão - Reprodução/SporTV
Valentim explica demissão do Cuiabá após uma rodada do Brasileirão Imagem: Reprodução/SporTV

Colaboração para o UOL, em São Paulo

31/05/2021 14h44

Demitido na primeira rodada do Campeonato Brasileiro, Alberto Valentim atribuiu sua saída do Cuiabá a problemas internos com o vice-presidente do clube, Cristiano Dresch.

Em entrevista ao "Seleção SporTV", o treinador admitiu tentativas de interferência na equipe por parte do dirigente. Valentim afirmou que desconfiava da demissão desde a última quinta-feira.

"Eu sempre fui muito aberto desde a minha chegada no Cuiabá, o Cristiano sabe disso. Sempre deixei ele fazer as colocações dele. Algumas coisas, nós não concordávamos. Falávamos horas e horas. Domingo, quando fomos campeões, falamos por 47 minutos. Respeito muito as hierarquias. Mas tudo tem um limite. Então, quando alguma coisa começa a ser levada muito para dentro do campo, querendo quase obrigar que eu colocasse certos jogadores, ou tirasse outros, isso já fica um pouco mais desgastado", iniciou Valentim.

"Na semana que passou, ele foi muito incisivo com algumas colocações. Eu soube na quinta-feira que poderia ser demitido. Então, eu segui com a minha forma de trabalhar, meus treinamentos. Depois do jogo, eu até imaginava, e não quis externar isso para ninguém, nem dentro da minha casa, nem para os jogadores. Não queria colocar nenhuma pressão a mais. Os jogadores só souberam dessa conversa depois do jogo", completou o treinador.

Além disso, Valentim voltou a rebater rumores sobre os motivos de sua possível demissão.

"Primeiro, deixar muito claro que algumas notícias que saíram são fake News. Foram inverdades nojentas. Uma nojentíssima, que foi em relação à minha vida pessoal. Outra, que não é verdade, que eu tive uma discussão com o Elton. Não teve nada disso, pelo contrário, os jogadores se mobilizaram, não me deixaram nem sair da minha sala para que eles tentassem reverter essa situação", falou.