PUBLICIDADE
Topo

Scarpa celebra 'volta por cima' com vinda de Abel após 'desânimo' com Luxa

Gustavo Scarpa destaca crescimento com Abel e lamenta falta de oportunidades com Luxemburgo - Reprodução/ESPN
Gustavo Scarpa destaca crescimento com Abel e lamenta falta de oportunidades com Luxemburgo Imagem: Reprodução/ESPN

Colaboração para o UOL, em São Paulo

09/03/2021 13h31

Além dos títulos pelo Palmeiras, o meia Gustavo Scarpa celebrou a "volta por cima" no clube após a chegada de Abel Ferreira. Após receber poucas oportunidades com o técnico Vanderlei Luxemburgo, o jogador contou que passou a se sentir "importante novamente" com a troca no comando técnico.

Scarpa perdeu espaço com Luxa por conta de uma negociação frustrada com o Almería, da Espanha. Durante as negociais, o meia treinou separadamente e, quando ficou à disposição, o treinador já havia "achado" a equipe.

"Fiquei muito feliz com a chegada do Abel. Eu não vinha tendo oportunidades, e com ele as coisas mudaram. De um ano que eu não esperava nada, pude me sentir importante novamente, ajudar o Palmeiras nas retas finais dos campeonatos. Estou muito feliz com isso", disse Scarpa em entrevista ao "Bate-Bola Debate".

"Todo mundo tem a sua parcela de culpa, como eu tive, nessa sequência com o Luxemburgo. Eu acabei sofrendo um pouquinho porque, na pré-temporada, eu estava para sair, e acabou não dando certo, e eu fiquei treinando separado. Isso acabou me prejudicando um pouco no começo; ele acabou achando a equipe dele. Apesar da equipe não estar jogando tão bem, eu acabei não tendo oportunidades. Aí chegou a pandemia e nada mudou. Não quero atribuir essa culpa a ninguém, até porque eu sei que tenho a minha parcela de culpa. Quanto menos você vai jogando e vai vendo que você não é importante, acaba desanimando. A chegada do Abel realmente trouxe um ânimo novo. Fiquei feliz demais por ter dado a volta por cima", completou o camisa 14.

Tendo atuado até como lateral esquerdo sob o comando de Abel Ferreira, Scarpa vê sua versatilidade como "traiçoeira", pois dificulta a disputa por uma posição na equipe.

"Eu fico feliz com a questão da versatilidade, apesar de achar ela, às vezes, um pouco traiçoeira, porque você acaba não brigando por posição. Você acaba sendo: vai precisar de um lateral, e o treinador sabe que pode contar com você, de um ponta esquerda ou ponta direita, mas você dificilmente tem uma sequência na posição de origem. Geralmente, quando o time vai mal, acaba sobrando pro cara que está fora de posição, então, ela é um pouco traiçoeira, mas eu me sinto feliz de poder ter o respaldo e confiança do treinador em me colocar em diversas posições. O importante é ajudar a equipe", falou.