PUBLICIDADE
Topo

Vôlei

Giba passa aniversário com dívida e pedido de prisão decretado

Do UOL, em São Paulo

23/12/2020 13h19

O ex-jogador da seleção brasileira de vôlei Giba completa 44 anos hoje, mas a celebração provavelmente ficará em segundo plano já que ele convive com dívidas e teve pedido de prisão decretado no último domingo (20).

De acordo com o blog Olhar Olímpico, do UOL Esporte, a Justiça do Paraná voltou a ordenar a prisão de Giba pelo não pagamento de pensão alimentícia para os dois filhos que ele teve com a também ex-jogadora Cristina Pirv.

Giba tem ordem de prisão domiciliar contra si, mas a polícia ainda não bateu no endereço em que ele se encontra, em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, por conta do plantão judiciário, tradicional, durante as festas de fim de ano.

Desta forma, é provável que ele passe tanto o aniversário de 44 anos, hoje, como o Natal, sem uma tornozeleira eletrônica.

Entenda o caso

No último domingo, a Justiça do Paraná voltou a decretar a prisão de Giba pela mesma razão de quase três anos atrás: o não pagamento de pensão alimentícia para os dois filhos que ele teve com Cristina Pirv. Diferentemente da primeira vez que correu o risco de ser preso, agora Giba está no Brasil, no Rio de Janeiro.

Pirv, que é a representante legal dos dois filhos e hoje mora com eles na Romênia, sua terra natal, reclama que Giba deve cerca de R$ 300 mil, o que convenceu a juíza da 7ª Vara de Família do estado do Paraná a decretar a prisão do jogador.

Em contato com o Olhar Olímpico, o advogado de Pirv disse que a pensão proposta por Giba não paga nem a escola das crianças.

"Não posso entrar muito em detalhes, questão de ética, mas os valores cobrados são devidos desde 2018. O valor [proposto] não é R$ 9,5 mil, como disse o senhor Gilberto [Giba]. Sua revisão pede que o valor seja de 6 mil reais. É menos do que custa as duas escolas das crianças", afirmou Rodrigo Reis Silva, do escritório RR Advocacia, ao blog do UOL Esporte.

O processo, que corre em segredo de Justiça, teve os primeiros capítulos no início de 2018, quando Giba teve prisão de 60 dias decretada também pelo fato de não pagar a pensão alimentícia. A ordem foi baseada no artigo 528 do Código de Processo Civil, mas não chegou a ser executada porque, antes de o mandado de prisão ser expedido, Giba conseguiu uma liminar para suspender a decisão até a realização de uma audiência.

Na ocasião, o ex-jogador estava na Coreia do Sul, representando a Federação Internacional de Vôlei (FIVB) nos Jogos Olímpicos de Inverno.

Em 2018, a dívida era de cerca de R$ 82 mil. Hoje, porém, já chegou perto de R$ 300 mil.

Desde lá atrás, Giba reclamava do valor da pensão, estipulado em R$ 10 mil em 2017 e que, atualmente, com correções, já está em cerca de R$ 15 mil. O ex-jogador é embaixador da FIVB, vive de palestras e campanhas publicitárias e alega não possuir renda suficiente para pagar tanto dinheiro.

À época, Pirv deu entrevista ao Olhar Olímpico e afirmou que não queria ver Giba preso, mas que não tinha escolha.

Giba não vê os filhos há 11 meses

Giba e Pirv se separaram em 2012. A guarda das duas crianças ficou com ela, que nasceu na Romênia, mas criava os filhos em Curitiba (PR), onde o casal fixou residência. Em 2018, depois que a Justiça determinou a prisão de Giba — ele não chegou a ser detido —, Pirv decidiu que era hora de voltar à Romênia, onde tinha uma rede de apoio familiar e oportunidades de trabalho. Com isso, levou com ela as crianças, que não veem o pai há 11 meses.

Atualmente, os filhos do ex-casal estudam em um colégio bilíngue em Bucareste, que, de acordo com a mãe, custa 1,2 mil euros (R$ 7,5 mil) por mês. Nos cálculos apresentados por ela à Justiça, somente os gastos fixos com as duas crianças atingem cerca de R$ 12 mil. Giba, que recebe 5 mil francos suíços (R$ 28 mil) para ser embaixador da Federação Internacional de Vôlei (FIVB), diz que todo mês deposita entre R$ 6,5 mil e R$ 6,6 mil, ainda que o valor da pensão estipulado pela Justiça seja de R$ 15 mil. No total, a dívida gira em torno de R$ 300 mil.

Vôlei