PUBLICIDADE
Topo

Eliminatórias Sul-Americanas

Globo e empresa divergem, e jogo da seleção ainda não tem exibição definida

Allan, Gabriel Jesus e Richarlison durante treino da seleção nesta terça-feira (10) - Lucas Figueiredo/CBF
Allan, Gabriel Jesus e Richarlison durante treino da seleção nesta terça-feira (10) Imagem: Lucas Figueiredo/CBF

Gabriel Vaquer

Do UOL, em Aracaju

12/11/2020 04h00

Marcado para a próxima terça-feira (17), às 20h (horário de Brasília), o jogo entre Uruguai e Brasil, válido pela quarta rodada das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022, ainda não tem transmissão definida para o público brasileiro. O Grupo Globo é, ainda, o único a negociar com a Mediapro, empresa da Espanha representante das outras seleções sul-americanas que não tem acordo para o mercado nacional.

As conversas, que chegaram a ser tratadas em tom animador há poucos dias, voltaram a patamares complicados. Nenhuma outra emissora está na disputa. A pedida financeira e as divergências do possível contrato são os entraves. A CBF monitora a situação.

Segundo apurou o UOL Esporte, a Mediapro deseja fechar um vínculo definitivo por todos os jogos disponíveis no seu pacote - atualmente, são 48 jogos em mais dezesseis rodadas do torneio. Porém, a Globo não vê necessidade e deseja um contrato apenas para os jogos da seleção brasileira fora de casa. Essa posição da emissora brasileira é causada pela pandemia do novo coronavírus, que fez a empresa rever e renegociar valores de diversos eventos.

Outro ponto defendido pela Globo sobre esta tese é que apenas os jogos do Brasil e Argentina costumam agradar o público brasileiro e que, no momento, os outros confrontos só chegam para acrescentar um pacote. Uma disputa entre Peru x Bolívia, por exemplo, não consegue um retorno interessante de audiência no Sportv. Os compromissos em casa dos hermanos, além das partidas em casa da seleção brasileira, já estão garantidos desde o início do ano.

A Globo também diz internamente que a Mediapro é intransigente na negociação. Além de não desejar mudar a venda do pacote, os espanhóis não baixam os valores cobrados para o fechamento do possível contrato. Na última rodada de conversas, a empresa espanhola cobrou algo em torno de 18 milhões de dólares (R$ 97 milhões na cotação atual). Neste patamar, o grupo brasileiro afirma internamente que não avançará na conversa. Só para efeito de comparação, o SBT paga um mínimo de US$ 15 milhões por ano para a Conmebol pela Libertadores da América.

SBT e Turner não mostram interesse

O que pode melar para quem quer ver a partida é que, no momento, não se vislumbra uma segunda alternativa. A reportagem apurou que o SBT não está em conversas por essa partida e deixou de ter qualquer interesse nas Eliminatórias da Copa do Mundo por causa justamente dos altos valores cobrados.

Já fontes na Turner, que exibiu as duas primeiras rodadas iniciais em outubro no EI Plus em uma situação pontual, afirmam que não foram procurados para empresa para a renovação do contrato e que também não pretendem conversar sobre os jogos no momento. A multinacional só admite uma troca de comportamento caso os representantes da Mediapro a procurem até a semana que vem - o movimento inverso não será feito.

CBF descarta compra

Outra possibilidade seria a CBF, preocupada com a falta de exposição de seu principal produto, comprar os direitos do jogo da seleção - como fez na rodada anterior - e repassá-los a algum canal. Por ora, no entanto, a confederação descarta um novo investimento, considerado caro para ser repetido.

Brasil x Venezuela, às 21h30 de amanhã (13), tem transmissão garantida. Na Globo, Cléber Machado vai narrar a partida. Afastado das transmissões por ser do grupo de risco da Covid-19, Galvão Bueno participará apenas tecendo comentários durante o intervalo do confronto. No Sportv, o comando da jornada será de Luiz Carlos Jr.