PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Ex-astro de luta livre diz que confissão de assassinato era mentira

O lutador Marty Jannetty no WWE - Reprodução
O lutador Marty Jannetty no WWE Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

08/09/2020 19h50

O ex-astro de luta livre norte-americano, Marty Jannetty, afirmou hoje em post no Facebook que estava brincando ao falar, no início de agosto, que cometeu um assassinato aos 13 anos.

Segundo ele, que foi lutador profissional por mais de 30 anos e ficou mais conhecido no WWE, tudo fazia parte de criar de uma história de ficção, usada para promover uma luta.

Inicialmente, ele afirmou que usou um tijolo para se defender de uma tentativa de estupro há 47 anos, quando matou seu agressor.

Marty contou, em um programa de luta livre, que inclusive teria jogado o corpo no rio Chattahoochee, nos Estados Unidos.

Após a declaração, o Departamento de Polícia de Columbus, na Geórgia, abriu uma investigação sobre o aparente assassinato. As autoridades confirmaram hoje ao TMZ que o inquérito segue em curso.

Porém, Jannetty diz que toda a história foi apenas marketing e que o caso tomou tamanha proporção que até ficou retido ao viajar de avião pelos EUA.

"Foi apenas uma história... ninguém acreditou [que era isso]?", escreveu no Facebook, pedindo desculpa ainda para quem acabou envolvido no suposto crime e terá que prestar esclarecimentos para a polícia.

No post, ele contou que a confissão foi baseada na vez em que, quando adolescente, foi comprar maconha de um "homem gay" e o traficante "agarrou suas genitais".

"Eu disse que não [queria nada], que era para voltar ao trabalho. Nós saímos e continuamos amigos. Ele nunca mais tocou em mim, então estávamos bem."

O ex-lutador também admitiu que deveria ter entrado em contato com a polícia sobre a história do falso assassinato antes de ir a público, mas afirmou que "não é assim que eu faço as coisas".

Esporte