PUBLICIDADE
Topo

UOL Esporte vê TV

Turner tira Alê Oliveira de jogos e terá equipe reduzida na Champions

Champions League volta nesta sexta com complemento das oitavas - GettyImages
Champions League volta nesta sexta com complemento das oitavas Imagem: GettyImages

Gabriel Vaquer

Colaboração para o UOL, em Aracaju

06/08/2020 04h00

A volta da Champions League em um formato com sede única (a partir das quartas de final) e apenas jogos de mata está sendo considerado uma Copa do Mundo para a Turner. A programadora promete uma programação extensa e mostrará 11 jogos em 14 dias. A cobertura, no entanto, terá limitações de pessoal. Sem narradores em Portugal, palco do torneio neste formato adaptado, e sem os principais correspondentes, o canal ainda terá o "desfalque forçado" do comentarista Alê Oliveira nos primeiros dias da reta final.

Segundo apurou a reportagem do UOL Esporte, o comentarista foi vetado dos jogos e não participará de nenhuma transmissão realizada pela TNT até o fim de semana. Alê foi preterido após certo desgaste interno com o comando esportivo da Turner. O profissional, no entanto, participará de programas na plataforma digital, principalmente no YouTube, onde tem forte atuação.

Em contato com a reportagem, a emissora informou que a situação não é definitiva e que as escalas da próxima semana não estão definidas ainda.

Ontem, Ale Oliveira chegou a postar um vídeo em sua redes sociais comentando que estaria fora das primeiras transmissões. A direção da casa não gostou e pediu que o comentarista removesse o post.

Nos últimos dias, para afinar a estratégia, a programadora ensaiou o protocolo. Os jogos serão gerados dos estúdios da Turner em São Paulo, com o narrador e comentarista em cabines separadas. Enquanto o locutor fica em um espaço, o jornalista da escala vai para outro lugar, em um andar diferente. Nenhum dos profissionais terá contato com o colega na operação.

No pré-jogo, a apresentadora Taynah Espinoza terá a companhia de um comentarista em estúdio, mas com distanciamento social. No pós, realizado pelo programa "O Último Lance", apresentador e comentarista estarão em estúdio, enquanto um terceiro entrará de outro espaço. Outros dois contratados entrarão de casa, junto com o comentarista de arbitragem.

Por causa da pandemia do novo coronavírus, a cobertura in loco do mata-mata da Champions será reduzido. Apenas o correspondente baseado em Portugal, Arthur Quezada, junto com a cinegrafista Carolina Albuquerque, que é portuguesa, foram credenciados. Nomes como Marcelo Bechler, de Barcelona, Isabela Pagliari, baseada em Paris, Fred Caldeira, de Manchester, e Clara Albuquerque, de Turim, farão a cobertura de suas cidades, à distância.

A Turner tinha credenciais para os nomes citados, mas segundo informou aos próprios, respeitou normas gerais da empresa - direto dos Estados Unidos - e evitou viagens. O fato, claro, incomodou os profissionais, que se deslocaram em outros momentos.

Além disso, mesmo por se tratar de um período de renovação de contrato de direitos de transmissão, diretores da Turner não viajarão para Portugal para assistirem à final, como sempre aconteceu desde que o Esporte Interativo adquiriu os direitos exclusivos da principal competição da Europa, em meados de 2015.

A explicação para isso é uma determinação da WarnerMedia Internacional, nos Estados Unidos, para que viagens de qualquer tipo sejam feitas apenas em casos excepcionais e de extrema urgência. A ordem é tentar entregar tudo de forma que resguarde a vida de todos.

Vale lembrar que os direitos de transmissão da Champions League são da Turner até o fim da temporada 2020/2021. A programadora colocou como prioridade a renovação desses direitos em licitação que vai acontecer no ano que vem, até por se tratar do principal produto da empresa hoje no Brasil.

UOL Esporte vê TV