PUBLICIDADE
Topo

As lições que a primeira transmissão de jogo ao vivo da TV Galo dá a clubes

Gabriel Vaquer

Colaboração para o UOL, em Aracaju

15/07/2020 13h21

Mais um canal oficial de clube brasileiro se aventurou na transmissão de eventos ao vivo. Na manhã de hoje (15), a TV Galo transmitiu o jogo-treino que terminou com vitória por 3 a 2 do Atlético-MG sobre o América-MG. Mesmo se tratando de uma partida sem importância na teoria, a exibição mostrou lições que emissoras do tipo podem aproveitar para melhorar.

Dos cinco gols que aconteceram no jogo, o narrador Fábio Pinel perdeu três deles por dois motivos diferentes. O primeiro saiu enquanto o locutor entrevistava o presidente Sérgio Sette Câmara. O segundo aconteceu durante merchandising de uma marca que anunciava na live.

Com o clube precisando fazer dinheiro, o excesso de propagandas e anúncios feito por Fábio Pinel saltou aos olhos. Em alguns momentos, ignorou lances importantes para isso.

Além disso, o repórter Felipe Ribeiro caiu em uma gafe tradicional de novos veículos de comunicação. Ao ler uma mensagem de um espectador no YouTube, o profissional mando um abraço para o "Power Guido", pegadinha que parte do público gosta de pregar em transmissões do tipo.

Tecnicamente, a transmissão foi competente dentro da estrutura disponível. Uma câmera acompanhando a bola no campo, mas muito fechada, era a principal. Mesmo com pouco recurso técnico, a TV Galo tinha replays em lances polêmicos, algo incomum em transmissões do tipo.

A audiência foi bastante interessante. O jogo chegou a pico de audiência de 93 mil visualizações simultâneas simultâneas no Youtube e de 8 mil no Facebook. A oportunidade de ver como o Atlético-MG se sairia após as mudanças feitas por Jorge Sampaoli ajudou.

Tanto os pontos positivos quanto os negativos são lições importantes para que as TVs oficiais de clubes possam oferecer um produto interessante, tanto para os fãs de futebol quanto para o mercado comercial.

Atlético-MG