PUBLICIDADE
Topo

"Loucura" do Carioca faz Globo viver rara situação de cancelar transmissão

Neymar enfrenta marcação do Joinville em jogo do Santos pela Copa do Brasil-2013 - Ricardo Nogueira/Folha Imagem
Neymar enfrenta marcação do Joinville em jogo do Santos pela Copa do Brasil-2013 Imagem: Ricardo Nogueira/Folha Imagem

Gabriel Vaquer

Colaboração para o UOL, em Aracaju

21/06/2020 04h00

A confusão com os decretos da Prefeitura do Rio de Janeiro, que suspendeu e depois autorizou ontem (20) a realização de jogos do Campeonato Carioca, deixou a Globo em uma posição desconfortável e rara. A emissora chegou a anunciar para hoje (21) a transmissão de Vasco x Macaé para Rio de Janeiro, Distrito Federal e outros 14 estados. Mas, mesmo antes de a partida ser adiada para quarta-feira (24), a rede já havia decidido que não faria a transmissão, por não ter tempo viável para estabelecer sua operação em São Januário.

O UOL Esporte relembra aqui alguns episódios em que jogos anunciados pela Globo acabaram não indo ao ar, tendo espaço reservado na grade —uma situação nada comum e que está longe do ideal, ferindo interesses comerciais e todo o encadeamento de sua programação.

Envolvendo clubes do Rio de Janeiro, um momento de convulsão social na Argentina forçou a mudança à emissora. Em 21 de dezembro de 2001, a final da Copa Mercosul entre San Lorenzo (ARG) e Flamengo teve de ser adiada devido a uma crise que explodiu nas ruas da capital argentina e causou a renúncia do então presidente Fernando De Lá Rua.

A final da Mercosul foi canceladas horas antes, e a equipe da Globo enviada a Buenos Aires foi deslocada para cobrir justamente o movimento popular. A situação causou, inclusive, uma situação insólita: Galvão Bueno, que narraria o jogo, foi a voz que anunciou a renúncia de De Lá Rua no "Jornal Nacional". O jogo aconteceu mais de um mês depois, em 23 de janeiro em 2002.

Em São Paulo, outros dois casos. Em 2004, o jogo Paraná x Palmeiras válido pelo Campeonato Brasileiro daquele ano também ganhou chamada no ar. No entanto, a Record estava exibindo com exclusividade a Eurocopa de 2004, com uma boa campanha do Portugal do Felipão, dando índices generosos para a emissora.

Com a decisão exatamente no domingo à tarde, a Globo sentiu que o jogo do Verdão poderia não fazer frente no Ibope em concorrência com a final europeia. De última hora, entãoo, a rede optou pela exibição para o clássico entre Corinthians e Santos. Deu certo para a audiência: foi apertado, mas a Globo venceu 18 pontos a 16 no Ibope na Grande São Paulo.

Aí saltamos no tempo para 2013, quando Corinthians, Palmeiras e São Paulo foram eliminados precocemente da Libertadores. Para um jogo de quarta-feira, a alternativa seria um Santos x Joinville pela Copa do Brasil. Esse jogo chegou a ser anunciado no ar no "Bom Dia SP" pelo apresentador Rodrigo Bocardi. Mas no dia seguinte, a Globo mudou a grade e cancelou a transmissão do futebol para São Paulo. O "Cinema Especial" tapou buraco com um filme até então inédito na TV aberta nacional: "Encontro Explosivo", com os astros Cameron Diaz e Tom Cruise.

Santos x Joinville acabou passando somente para as cidades que abrigam os clubes, além de Goiás e Tocantins. A emissora causou a ira dos torcedores do Santos na ocasião, que começaram a promover um boicote contra a Globo.

Vasco x Macaé marcaria o retorno da Globo ao futebol após três meses de paralisação pro causa da pandemia do novo coronavírus. Mesmo com a mudança de decreto que proibiu apenas jogos de Botafogo e Fluminense até o dai 25 de junho, a Globo afirmou que não poderia exibir a partida em suas mídias digitais por já ter desmobilizado a sua equipe de transmissão. O jogo foi adiado para a próxima quarta, às 21h30, numa tentativa de forçar a transmissão da emissora carioca.

UOL Esporte vê TV