PUBLICIDADE
Topo

UOL Esporte vê TV

Como repórter ficou sem clima na Globo até demissão por vídeo íntimo

Thiago Asmar, jornalista responsável pelo canal "Pilhado" - Reprodução/Youtube
Thiago Asmar, jornalista responsável pelo canal "Pilhado" Imagem: Reprodução/Youtube

Beatriz Cesarini

Do UOL, em São Paulo

05/02/2020 04h00

Em entrevista ao canal de Raiam Santos no YouTube, o ex-repórter da Globo Thiago Asmar deu sua versão sobre a saída da TV Globo após vazamento de um vídeo íntimo e disse ter sido acusado de machismo. Quase quatro anos depois, o caso voltou à tona e funcionários da emissora relataram que as atitudes do jornalista já incomodavam antes mesmo da polêmica.

Na entrevista que reaqueceu o caso do vazamento do vídeo íntimo, Thiago diz que um grupo fez um abaixo-assinado pedindo sua demissão. "Eu fui encostado, fiquei na geladeira. Eu botava a cara, eu ia para a redação da Globo. Eu ia trabalhar, e as mulheres frustradas que eu nunca azarei, que eram ruins, ficavam incomodadas com o meu machismo, fizeram abaixo-assinado para eu ser demitido", declarou.

Segundo apurou o UOL Esporte, de fato houve mobilização a respeito do ocorrido, mas não abaixo-assinado. Um grupo de pessoas, formado pela maioria de mulheres, decidiu conversar com um representante do Esporte da TV Globo para entender por que empresa não se preocupava com o ambiente de trabalho no qual um repórter que teve um vídeo íntimo vazado e habitualmente explanava a intimidade alheia continuava atuando impunemente.

Após a mobilização do grupo, a TV Globo teria mantido a mesma postura. Thiago continuou no dia a dia da empresa, trabalhando normalmente ao lado de pessoas que se sentiam incomodadas com o comportamento e atitudes dele.

Ainda segundo apurou o UOL, o jornalista seguia uma certa rotina quando o assunto era falar sobre as mulheres com quem se relacionou. Thiago tinha o costume de contar abertamente sobre seus encontros, exaltando detalhes íntimos, usando palavreado obsceno e mostrando imagens de mulheres que gravava sem consentimento.

A frase "todas as mulheres querem dar para mim" era algo que Thiago sempre falava. O jornalista chegou a ser apelidado de "pai" porque ele ensinava "como o homem deve ser machão".

A postura de Thiago incomodava a maioria dos funcionários, tanto homens quanto mulheres. Ainda segundo apuração da reportagem, muitos integrantes da equipe de Esporte da TV Globo se sentiam desconfortáveis com as explanações e exposições do ex-repórter.

A gota d'água veio como o vazamento do vídeo íntimo no ano de 2015. As imagens mostravam Carol Muniz, ex-namorada de Marco Polo Del Nero, nua, ao lado de Thiago Asmar. O repórter foi afastado de sua função principal no Esporte Espetacular, mas continuou trabalhando com produção e outros programas.

O UOL ainda apurou que a falta de uma postura forte da emissora em relação ao caso incomodou um grupo grande de funcionários. Muitos se sentiram desconfortáveis em trabalhar ao lado Thiago Asmar por causa do vazamento do vídeo e pelo comportamento dele - antes e depois do ocorrido.

A reportagem entrou em contato com Thiago Asmar, mas o ex-repórter não respondeu ou retornou até a publicação desta matéria. Procurada, a comunicação da Globo disse que não irá se manifestar sobre o caso.

UOL Esporte vê TV